Uma família afirma ter sido vítima de preconceito racial em uma concessionária de carros de luxo, no Rio de Janeiro. Priscilla Celeste e o marido Ronald Munk estavam na loja com o filho adotivo, de sete anos, que é negro, para comprar um carro. Eles afirmam que o gerente expulsou o menino do local. O caso ganhou repercussão na internet, depois de ser divulgado pelo G1, o portal de notícias da Globo.

“Meu filho se aproximou e ficou do lado do pai, não falou nada, não falou uma palavra. Quando ele viu meu filho do lado do meu marido, ele falou: ‘sai daqui da loja, pode sair, isso aqui não é lugar pra você’. Antes dele concluir a frase, eu peguei meu filho pela mão e saí. Foi quando meu marido disse que aquele menino era o nosso filho”.
É assim que a professora Priscilla descreve o episódio, que aconteceu no dia 12 de janeiro, dentro da Autokraft, concessionária da BMW na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade. O casal esperou uma retratação da loja, que não chegou. Mandou então um e-mail para a montadora, que pediu desculpas pelo episódio, mas deixou claro que não responde pela concessionária.

Leia também:  Treze policiais são presos por operação que matou trabalhadores rurais no Pará

Uma semana depois, o casal recebeu um pedido de desculpas da loja, que chamou o caso de um “mal-entendido”. Na quarta-feira (23), Antônio Bastos, um representante da Autokraft deu explicações: “Após o incidente, o gerente esclareceu que, por vezes, circulam crianças desacompanhadas na loja. Elas entram e tentam vender uma bala. Ele foi inábil no exemplo, mas essa criança não sofreu nenhum ato discriminatório de racismo ou preconceito”, garante

O casal diz que em nenhum momento foi procurado pessoalmente ou recebeu qualquer telefonema, apesar de ser cliente da loja. Por isso, eles resolveram divulgar publicamente o que classificam de crime de preconceito e não de mal-entendido. Priscila e Ronald a página “Preconceito racial não é mal-entendido” no Facebook. Até o fim da manhã desta quinta-feira (23), mais de 44 mil pessoas manifestaram apoio à campanha.

Leia também:  Operação bloqueia 50 contas bancárias de suspeitos por fraudarem concursos na Paraíba

O casal não registrou ocorrência na delegacia e vai se reunir com advogados para decidir se entra na Justiça. “Processar criminalmente é uma opção que a gente ainda tem e a gente está avaliando. O nosso intuito não é a punição de um indivíduo, o nosso intuito é muito mais, é que essa história se espalhe e tantas outras histórias venham à tona pra que a gente comece a tomar consciência do que é preconceito. Enquanto a gente achar como essa pessoa dessa concessionária, que é um mal- entendido, isso não vai mudar”, afirma o pai da criança.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.