Após o Itamaraty conceder passaportes diplomáticos a líderes religiosos de igrejas evangélicas, a ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) enviou um ofício ao ministro Antônio Patriota (Relações Exteriores) cobrando o mesmo direito.

“Tendo em vista que a ABGLT também atua internacionalmente, tendo status consultivo junto ao Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas, além de atuar em parceria com diversos órgãos do Governo Federal, vimos solicitar que sejam concedidos da mesma forma passaportes diplomáticos para os/as integrantes da ABGLT”, diz o ofício encaminhado por e-mail.

“Claro que a regra diz que esse passaporte é uma excepcionalidade. Mas, se vão dar para todos os pastores evangélicos, nós também queremos. E queremos com os respectivos cônjuges, assim como os bispos e pastores”, explica Toni Reis, presidente da ABGLT. Caso o benefício não seja concedido, diz ele, o Ministério Público será procurado. “Queremos a isonomia. Nem menos nem mais, direitos iguais.”

Leia também:  Sachetti está provando do próprio veneno
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.