Foto divulgada neste domingo (27) pela KCNA, agência estatal norte-coreana, mostra Kim Jong-Um em reunião sobre medidas a serem tomadas contra sanções da ONU (Foto: KCNA/AFP)
Foto divulgada neste domingo (27) pela KCNA, agência estatal norte-coreana, mostra Kim Jong-Um em reunião sobre medidas a serem tomadas contra sanções da ONU (Foto: KCNA/AFP)

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, tomará “importantes medidas de Estado” perante os “movimentos antiPyongyang” que, liderados pelos Estados Unidos, derivaram em novas sanções da ONU, informa neste domingo (27) a agência estatal norte-coreana “KCNA”.

Kim transmitiu a firme determinação para de tomar medidas durante uma reunião com funcionários a cargo da segurança estatal e de exteriores, informou a “KCNA”, que não detalha a data desse encontro.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou na terça-feira (22) uma resolução para reforçar as sanções contra a Coreia do Norte por causa do lançamento, em dezembro, de um foguete de longo alcance, o primeiro que conseguiu pôr em órbita um satélite norte-coreano.

Pyongyang assegura que essa operação faz parte de seu programa de desenvolvimento espacial, mas o Conselho de Segurança a considerou uma violação de resoluções anteriores que proibiam o país comunista de desenvolver tecnologia de mísseis balísticos.

Leia também:  Parentes dos 44 tripulantes desaparecidos se manifestam em busca de respostas

Após saber sobre as novas sanções, Coreia do Sul anunciou na quinta-feira sua intenção de realizar um novo teste nuclear e prosseguir com os lançamentos de foguetes de longo alcance.

A informação publicada hoje pela “KCNA”, que não se refere abertamente a esse eventual teste atômico, assinala que na reunião de defesa o líder norte-coreano instruiu com “tarefas específicas” os oficiais perante a “grave situação criada”.

A agência atribuiu esta situação “aos movimentos antinorte-coreanos das forças hostis, que arbitrariamente e de forma provocadora fabricaram a ‘resolução’ do Conselho de Segurança da ONU sobre o reforço de sanções”.

Tanto Washington como Seul acreditam que Pyongyang teria concluído os preparativos técnicos para realizar um novo teste nuclear na base de Punggye-ri, no nordeste do país comunista, e que ele poderia acontecer em questão de semanas ou dias.

Leia também:  Trump chega a Las Vegas para encontrar sobreviventes do maior ataque já ocorrido nos EUA
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.