Em setembro de 2012, Robert Kubica apareceu com braço enfaixado no rali Ronde Gomitolo di Lana, na Itália, 19 meses após o acidente que comprometeu seus movimentos (Foto: Reprodução/Twitter)
Em setembro de 2012, Robert Kubica apareceu com braço enfaixado no rali Ronde Gomitolo di Lana, na Itália, 19 meses após o acidente que comprometeu seus movimentos (Foto: Reprodução/Twitter)

Pouco a pouco, Robert Kubica prepara seu retorno às pistas. Dois anos após o grave acidente em uma prova de rali na Itália, o polonês vai se aventurar pela primeira vez em um circuito fechado desde que perdeu parte dos movimentos do braço e da mão direita. De acordo com a revista inglesa “Autosport”, o piloto testará um carro da Mercedes no DTM, a Stock Car alemã. Ainda segundo a publicação, a sessão será no circuito de Valência, na Espanha, e ainda não tem data definida.

Tido como um dos pilotos mais talentosos de sua geração, Robert Kubica estreou na Fórmula 1 em 2006, pela BMW, equipe pela qual obteve sua única vitória na categoria, em 2008. Com o fim da equipe, o polonês foi contratado pela Renault (atual Lotus), time pelo qual disputou a temporada 2010. Logo após a apresentação do novo carro, nos testes de pré-temporada em fevereiro de 2011, ele sofreu um grave acidente durante uma prova de rali e se afastou das pistas.

Leia também:  União, mesmo com derrota, avança e joga de novo contra o Dom Bosco

Desde então, Kubica tem tentado acelerar seu tratamento, visando um retorno às pistas. O retorno a um volante se deu também em um carro de rali, em setembro de 2012, 19 meses após a batida, e logo com uma vitória. Nos meses seguintes, o polonês guiou diferentes modelos de carros de rali, ganhou mais uma prova e sofreu dois acidentes sem muita gravidade, embora em um deles o carro tenha sofrido um princípio de incêndio.

Em dezembro, Kubica admitiu em uma entrevista que o sonho de retornar à Fórmula 1 ainda está bem distante, devido às limitações de movimento que sofreu após o acidente e as diversas cirurgias para reconstrução da área afetada.

Leia também:  Futebol em luto: morre Gilson Lira

Se eu puder mover meu braço novamente, há uma chance de retornar. Mas até isso acontecer, temos que ver. Não há chance de voltar à Fórmula 1 em breve. Se fosse questão de força, seria resolvido com musculação. O grande problema é a mobilidade do cotovelo e do punho. Ainda é difícil mover meu braço direito. Fiz várias operações para isso evoluir, mas não houve nenhuma melhoria espetacular – revelou ao site “AutoWeek”.

DTM tem brasileiro e pode ter Zanardi

O DTM – sigla para “Campeonato Alemão de Turismo” – é a principal comptição com máquinas do tipo Stock Car na Europa. O brasileiro Augusto Farfus estreou na competição e 2012 e se tornou o primeiro piloto do país a conquistar uma pole e uma vitória na competição, que reúne três montadoras germânicas e corre em cinco países: Áustria, Holanda, Rússia, Inglaterra e Alemanha, onde é baseado. Farfus já está confirmado para a temporada 2013, que começa no dia 5 de maio e Hockenheim, mesma pista que recebe o GP da Alemanha de Fórmula 1.

Leia também:  Academia é destaque em competição em Minas Gerais

Outro piloto com sequelas de um grave acidente que testou um carro do DTM recentemente foi Alessandro Zanardi. Bicampeão da Indy e bicampeão paralímpico em Londres-2012 no ciclismo, o italiano deu algumas voltas em um modelo BMW, mas não deu certeza se participará ou não do campeonato em 2013.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.