O grão-rabino da Polônia, Michael Schudrich, manifestou a sua indignação com a presença de uma estátua representando o ditador nazista Adolf Hitler ajoelhado no local do antigo gueto judeu de Varsóvia, uma provocação do polêmico artista italiano Maurizio Cattelan.

‘Quando se trata de mostrar o personagem de Hitler, temos a responsabilidade extraordinária de sermos sensíveis àqueles que sofreram, por causa do que Hitler provocou aos sobreviventes do Holocausto e aos sobreviventes não-judeus’, declarou nesta sexta-feira à France Presse o rabino Schudrich.

Uma estátua de cera representando Adolf Hitler, com a estatura de uma criança, vestido com um uniforme cinza, ajoelhado e rezando, foi instalada no antigo gueto de Varsóvia em 16 de novembro.

Leia também:  Ex-gerente de campanha de Trump se entrega ao FBI

A estátua pode ser vista apenas de costas e somente as pessoas mais atentas conseguem descobrir a instalação que passa despercebida da maior parte dos passantes. É possível observá-la apenas através de um buraco na porta de entrada de um prédio residencial abandonado.

A obra, intitulada ‘Him’ (‘Ele’), é apresentada como parte de uma exposição do artista, no Centro de Arte Contemporânea de Varsóvia.

‘Colocá-la exatamente aqui, na Rua Prozna, que fazia parte do antigo gueto, é prova de uma falta de sensibilidade, e mostra por que isso causa problemas’, acrescentou o líder religioso.

Segundo Michael Schudrich, antes do início da exposição, os responsáveis pelo museu haviam dito a ele que esta obra não constituía uma reabilitação de Hitler, mas mostrava que o mal pode existir na forma de uma criança de ar ingênuo e inocente.

Leia também:  Embaixador da Coreia do Norte diz que guerra nuclear pode começar 'a qualquer momento'

‘Eu achava que tinha ouvido que (a obra) fosse ficar no museu, mas talvez isso não tenha sido dito. Mas é certo que eles não disseram que a colocariam no antigo gueto’, acrescentou Schudrich.

O Centro Simon-Wiesenthal de Jerusalém havia classificado a instalação da estátua no antigo gueto de Varsóvia ‘de deturpação da arte, que insulta as vítimas dos nazistas’ e ‘de uma provocação sem sentido’, em um comunicado de 27 de dezembro.

Um ano depois da invasão da Polônia no dia 1º de setembro de 1939, os alemães criaram o bairro do gueto judeu de apenas três quilômetros quadrados onde ficaram amontoados cerca de meio milhão de judeus.

Leia também:  Seis pessoas são presas por planejar atentado na Alemanha

Seus habitantes foram quase todos dizimados pela fome e por doenças, ou deportados para os campos da morte. O bairro foi destruído pelos nazistas em 1943 após a insurreição do gueto.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.