Robby Gordon e Kellon Walch ao lado do Hummer capotado no deserto de Ica (Foto: AFP)
Robby Gordon e Kellon Walch ao lado do Hummer capotado no deserto de Ica (Foto: AFP)

Você acha impossível capotar um jipe de mais de duas toneladas em um deserto de areia? Isso não é tão difícil assim se quem estiver ao volante for o norte-americano Robby Gordon. O piloto, que está prestes a completar 44 anos, deu adeus às chances de título no Rally Dakar 2013 ao deixar seu Hummer H3 laranja com as quatro rodas para o ar no primeiro trecho da especial cronometrada entre as cidades de Nazca e Arequipa, no Peru. O acidente aconteceu no 29º km dos 288 cronometrados desta terça-feira, no deserto de Ica.

Gordon e o navegador Kellon Walch saíram sem ferimentos, mas ficaram parados por quase três horas esperando o resgate, que foi feito pelo caminhão de Jroslav Valtr. A dupla completou a especial, mas a desvantagem em relação aos líderes é muito grande. Eles chegaram em 92º lugar, a mais de cinco horas do primeiro colocado. Ironicamente, a dupla vinha de um bom segundo lugar no dia anterior, quando mostrou que tinha chances de conquistar um bom resultado no Dakar. Agora, eles figuram em um distante 43º lugar no geral.

Leia também:  Brasil dá show em Cuiabá e avança no Grand Prix

Polêmicas fora das pistas

Tão veloz quanto falastrão, Robby Gordon já virou uma figura folclórica no automobilismo. O piloto, que brigava contra a balança na época em que correu na Indy, na década de 1990, também se aventurou pelos ovais da Nascar antes de fixar sua carreira no universo dos ralis. Disputando o Dakar desde 2005, ele coleciona vitórias isoladas em etapas, mas também muitos abandonos. Seu melhor resultado foi um terceiro lugar na edição de 2009.

O histórico de confusões de Gordon já vem de longe. Em 2005, em uma prova da Nascar em New Hampshire, ele se envolveu em um acidente com Michael Waltrip e foi forçado a abandonar a prova. Já fora do carro, não teve dúvidas: arremessou seu capacete no parabrisa do rival, que passava pelo local em baixa velocidade devido à bandeira amarela acionada pela direção de prova. Depois do gesto, Gordon ainda falou se referiu ao piloto usando palavrões durante uma entrevista ao vivo para a rede de televisão que transmitia a corrida.

Leia também:  Academia e União vão disputar o Estadual Sub-17

No ano passado, já capitaneando a equipe que utiliza os robustos jipes norte-americanos, Gordon se envolveu em mais uma confusão. Ele se desentendeu com o então companheiro de equipe, o Príncipe do Qatar Nasser Al-Attiyah. Após muitos problemas mecânicos e divergências na maneira de trabalhar, o campeão de 2011 do principal rali do planeta disse que nunca mais competiria com Gordon, e nem em um Hummer, chamando a equipe de “imatura”. Até o momento, tem cumprido a promessa. Neste ano, Nasser está brigando pelo título a bordo de um protótipo buggy, e tem como companheiro de equipe o espanhol Carlos Sainz, campeão da prova em 2010.

Nem por isso, Gordon parece ter esquecido de alfinetar o ex-companheiro. Antes do Dakar 2013 começar, ele disse que os carros que seriam guiados por Nasser Al-Attiyah eram feios, usando o termo “buggly” – um trocadilho com as palavras “buggy” (o tipo de carro) e “ugly” (feio). Na opinião do norte-americano, havia um motivo muito claro para tal percepção.

Leia também:  Academia é destaque em competição em Minas Gerais

– Só vi os carros por fotografias. Mas assim como balizei os Minis de carros de mulheres, a estes dou o nome de bugglys, porque são uns buggies muito feios. Nota-se que foi o Nasser que os desenhou – disse.

No primeiro dia de competição, o jipe Hummer de Gordon protagonizou uma imagem curiosa. No deslocamento entrte Lima e Pisco, o navegador Kellon Walch parou para fazer xixi na estrada, e a imagem foi flagrada por um torcedor, se popularizando rapidamente nas redes sociais.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.