Bashar al-Assad, em discurso em Damasco neste domingo (6) (Foto: Reuters)

O Irã, principal aliado do regime de Damasco, apoiou nesta segunda-feira o plano proposto pelo presidente Bashar al-Assad para por fim à guerra civil na Síria.

“A República Islâmica apoia a iniciativa do presidente Assad para uma solução global para a crise”, declarou o ministro das Relações Exteriores Ali Akbar Salehi, em um comunicado publicado no site do ministério.

“O plano rejeita a violência, o terrorismo e as ingerências estrangeiras, e propõe um processo político global”, afirmou Salehi, cujo país apoio o regime Assad desde o início do conflito, em nome da solidariedade dos dois países em sua luta contra Israel.

O ministro iraniano pediu a todos os atores do conflito sírio e à comunidade internacional a “aproveitar a oportunidade” oferecida por este plano para “restabelecer a segurança e a estabilidade na Síria e evitar a extensão da crise à região”.

Leia também:  Deputados aprovam lei antiterrorista na França

Bashar al-Assad pediu no domingo um diálogo nacional para colocar fim ao conflito que atinge o país há 21 meses, proposta rejeitada imediatamente pela oposição, e acrescentou que não discutirá com aqueles que pegaram em armas contra o regime, durante um discurso transmitido pela rede de TV oficial.

Em seu primeiro discurso público em sete meses, o presidente sírio afirmou que o conflito, que, segundo a ONU, deixou mais de 60.000 mortos, não é travado “entre o poder e a oposição, mas entre a pátria e seus inimigos, o povo e seus assassinos”, acrescentando que alguns deles querem a divisão da Síria.

Assad, cujo mandato termina em 2014, afirmou que os países ocidentais “fecharam todas as portas para o diálogo”, e rejeitou a ideia de deixar o poder, dizendo que qualquer transição deve ser realizada “de acordo com os termos da Constituição”, em referência a eleições.

Leia também:  Operação na Colômbia faz maior apreensão da história recolhendo 12 toneladas de cocaína

No sábado, o jornal libanês pró-sírio “Al-Akhbar” afirmou que Assad apresentaria um plano de saída do conflito no qual estipula que não pode ser candidato nas eleições de 2014.

Ao mesmo tempo em que pediu um diálogo nacional, Assad lamentou ainda não ter encontrado um parceiro para achar uma solução política para o conflito, fazendo alusão à oposição, que se nega a iniciar negociações com o presidente.

No entanto, Assad informou que o diálogo teria início apenas sob certas condições.

“Os países envolvidos devem se comprometer a não seguir financiando as armas, e os homens armados devem deter qualquer operação terrorista. Então, nossas forças cessarão imediatamente as operações militares, mantendo o direito de responder”, explicou.

Leia também:  Terremoto que atingiu Irã ultrapassa de 450 mortos e mais de 6 mil feridos

Logo após o discurso, a oposição síria rejeitou a proposta de diálogo nacional do presidente, recusando qualquer iniciativa que signifique manter o regime no poder.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.