Foto: internet
Foto: internet

O Ministério Público Eleitoral (MPE) ingressou com recurso requerendo a cassação dos diplomas do prefeito de Sorriso, Dilceu Rossato (PR), e seu vice, Ederson Dalmolin (PDT). O republicano teria concorrido ao cargo de prefeito, no ano passado, estando inelegível. Segundo a ação, Rossato foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em 2006, por abuso de poder político durante o pleito daquele ano.

A sentença proferida por um órgão colegiado, já transitada em julgado, o enquadraria na Lei da Ficha Limpa, conforme a promotoria.

O argumento já foi rejeitado em primeira instância pela Justiça Eleitoral numa representação interposta pelo PRB.

O recurso contra esta decisão favorável a Rossato se baseia no encaminhamento dos autos do processo ao MPE. O promotor Carlos Roberto Zarour Cesar, argumenta que, embora o TRE tenha condenado o republicano apenas ao pagamento de uma multa em 2006, ele deve ser considerado um “ficha suja”, o que o deixaria inelegível pelo período de oito anos a partir do transito em julgado da sentença.

Leia também:  Congresso Nacional fará sessão solene para homenagear 300 anos de Cuiabá

Rossato foi condenado por abuso de poder político por ter promovido uma reunião com 300 servidores públicos para pedir votos ao então candidato a deputado estadual Mauro Savi (PR).

O encontro foi realizado durante o horário de trabalho no auditório da Associação Comercial e Empresarial de Sorriso, prédio que havia sido cedido à prefeitura graças a um convênio no valor de R$ 50 mil firmado pela Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Turismo.

Além de Rossato, o então vice-prefeito Luis Carlos Nardi e Savi foram incluídos no processo. O parlamentar só teria conseguido se reeleger em 2010 porque, apesar de sancionada, a Lei da Ficha Limpa não foi aplicada no pleito daquele ano.

Leia também:  Wellington diz que protagonismo brasileiro no campo se deve à medicina veterinária

Caso Rossato tenha o mandato cassado, uma eleição suplementar deve ser realizada em Sorriso. Isso porque ele foi eleito com mais de 50% do total de votos válidos, o que impossibilita a convocação do segundo colocado, o ex-prefeito Chicão Bedin (PMDB), conforme a legislação eleitoral.

O recurso do MPE foi impetrado em 17 de dezembro, três dias após a diplomação de Rossato. A reportagem do Diário procurou o republicano, mas ele não atendeu nem retornou as ligações até o fechamento desta edição. (LN)

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.