Fabiana Murer no treino de salto de vara (Foto: Rodrigo Iglesias / BM&FBPVESPA)
Fabiana Murer no treino de salto de vara (Foto: Rodrigo Iglesias / BM&FBPVESPA)

A página foi virada. Mesmo apontando a decepção nas Olimpíadas de Londres 2012, quando caiu na fase eliminatória, como um dos momentos mais dolorosos de sua carreira, Fabiana Murer sabe que precisa erguer a cabeça e olhar para a frente. A temporada 2013 da brasileira começa na próxima sexta-feira, em Reno, nos Estados Unidos, em um torneio só de salto com vara. De olho em mais um título mundial, a atleta não pensa em dar um tempo na carreira. Cuidar da vida pessoal? Só depois de 2016.

“Eu vou direto. Tenho sempre uma parada entre as competições. Mas estou sempre treinando. Pretendo continuar assim até 2016. Tenho fôlego de sobra para isso. Quero aproveitar todas as oportunidades que puder, sentir essa adrenalina da competição – disse Fabiana”.

A vontade de ter mais tempo para si mesmo e ser mãe existe. Mas, no momento, está sendo deixada de lado. Aos 31 anos, Fabiana quer competir em alto nível até os Jogos Olímpicos do Rio 2016 e está 100% dedicada para isso.

Leia também:  Colorado vence fora de casa e ganha moral na Copinha

Só depois de 2016. Para mim, seria muito complicado ter filho e voltar. Muitas atletas fazem, mas eu não conseguiria – completou.

A experiência não mudou sua forma de ser. Mesmo calejada, Fabiana mantém o jeito tranquilo de sempre. A voz só fica mais lenta ao falar da frustração olímpica do ano passado. Mas, por outro lado, a atleta afirma estar mais fortalecida do que nunca.

– Foi um momento difícil da minha carreira. Tive que ter força para conseguir me levantar novamente. Precisei seguir competindo e isso me ajudou a me recuperar mais fácil. Acho que tudo que a gente passa na vida dá uma lição. Não foi só Londres, tive outros momentos ruins na minha carreira. Tive lesões pelo meu caminho, fui mal em algumas competições e bem em outras. Todas essas experiências me fortaleceram muito – afirmou.

Leia também:  1ª Paraolimpíada deve contar com 139 alunos em Rondonópolis

O início da temporada de Fabiana será na pista coberta, mas o objetivo do ano é o Mundial de pista aberta, em agosto, em Moscou. Em 2011, Murer ganhou o ouro inédito da competição para o Brasil, na Coreia do Sul. Assim como daquela vez, a brasileira diz que foca, primeiramente, na conquista de uma medalha, depois pensa em ouro.

– O objetivo é o Mundial. É claro que é muito difícil. Primeiro tenho que pensar em buscar uma medalha no mundial. Lógico que quero o bi, mas tenho que buscar tudo passo a passo. É o objetivo do ano. Salto com vara feminino é uma prova muito disputada. Várias atletas têm chance de ganhar. Quero uma medalha. Posso saltar bem, mas elas podem saltar melhor – disse Fabiana.

Leia também:  Cuiabá vence Luverdense e se classifica para semifinal no sub-17

Antes do Mundial de Moscou, no entanto, Fabiana Murer já tem um calendário de competições previstas para esse começo de ano.  Depois de Reno, ela embarca para Rússia, Ucrânia e Polônia. Por fim, compete na Inglaterra e na Suécia, no fim de fevereiro.

– Quero chegar bem no Mundial e voltar a fazer o meu melhor. Vou passar por muitas competições antes do Mundial e estou me preparando para bater o recorde sul-americano. Estou bem focada na temporada e gostaria de surpreender. Estou motivada e bem tranquila. 4,82 é meu objetivo na pista coberta. Tenho que fazer tudo gradativamente – finalizou Fabiana, que não passou de 4,50m nos Jogos de Londres .

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.