Homicídios e extorsões pesam nas fichas criminais dos PMs Jefferson Araújo Miranda, Jovanis Falcão e Junior Cezar de Medeiros. Acusados de envolvimento na morte da juíza Patrícia Acioli, em 2011, eles vão a júri popular, na 3ª Vara Criminal de Niterói, amanhã a partir das 8h. Levantamento feito pela reportagem na Justiça mostra que só o cabo Araújo responde a outros nove homicídios e uma extorsão.

Escutas telefônicas divulgadas com exclusividade na edição de ontem de O DIA indicam esquema fraudulento de desvios de munição que PMs do 7º BPM (São Gonçalo) montaram para cometer crimes, segundo o Ministério Público. Na noite do assassinato de Patrícia, em 11 de agosto de 2011, ela, horas antes, havia decretado a prisão preventiva de Araújo e de outros sete PMs, do batalhão de São Gonçalo, pela morte de Diego Beliene. O jovem foi executado dia 3 de junho de 2011, no complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.

Leia também:  Comparsa de tentativa de homicídio no Residencial Farias e outro homem são presos pela Polícia

HOMICÍDIOS E EXTORSÃO

Segundo as investigações, a prisão dos PMs teria sido o estopim da morte da juíza. Entre os oito acusados da morte de Beliene figurava Jovanis Falcão. O militar carrega na ficha criminal mais quatro homicídios e duas extorsões. Falcão foi condenado a dois anos e quatro meses de reclusão e mais oito meses de detenção na Auditoria de Justiça Militar, mas cabe recurso.

Medeiros, outro que estará no banco dos réus, responde a processo por outro homicídio e também envolvimento com o tráfico de drogas. Ele ainda pode ser acusado pelo sequestro Wanderson Sobreira Pereira, 27, o Nito, em setembro 2011, como revelam gravações telefônicas, autorizadas pela Justiça. A mãe de Nito ligou para advogada dizendo que o ‘Bonde dos Neuróticos’ tinha feito o sequestro. Ela é orientada a ir à polícia. Há um mês, Nito foi preso.

Leia também:  Homem é assassinado com tiro na cabeça e criança de 2 anos também é atingida

No relatório da Divisão de Homicídio consta que os agentes encontraram R$ 23 mil em armário na casa de Medeiros. “Espero a condenação dos três. As penas podem chegar a 36 anos de prisão pelo homicídio e formação de quadrilha armada”, diz o promotor Leandro Navega.

EX-COMANDANTE DA PM É UMA DAS PRINCIPAIS TESTEMUNHAS DA DEFESA

O ex-comandante da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Brito, é aguardado como uma das principais testemunhas arroladas pela defesa dos PMs para o julgamento de amanhã. É o que garante o promotor Leandro Navega, responsável pela acusação.

O julgamento está marcado para começar às 8h com a escolha dos sete jurados entre os integrantes do Conselho de Sentença. No primeiro julgamento dezembro, o PM Sergio da Costa Junior foi condenado a 21 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha. A estratégia da acusação é que os três sejam punidos pelos mesmos crimes.

Leia também:  Família é trancada em quarto durante assalto no Jardim Mato Grosso

“Isso reforçaria a condenação dos outros sete acusados, que ainda serão julgados”, analisa Leandro Navega. Entre eles estão, o tenente Daniel Benitez e o ex-comandante do 7º BPM, coronel Claudio Oliveira, presos em unidade federal.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.