Foto: internet
Foto: internet

O meia Riquelme tem 34 anos, um histórico de lesões e não joga futebol profissionalmente há mais de seis meses. Mesmo com todas essas informações, o Palmeiras busca a contratação do jogador para as disputas da Taça Libertadores e da Série B do Campeonato Brasileiro. A possível chegada do argentino, porém, não é unanimidade dentro do clube. O temor é que o meia tenha trajetória semelhante à de Valdivia.

O COF (Conselho de Orientação e Fiscalização) do clube também é contra a contratação, mas por motivos financeiros. Falta o aval da comissão técnica para que o Verdão mantenha a carga ou desista de Riquelme. O meia não é prioridade para o técnico Gilson Kleina neste momento.

A resistência é baseada nos números da temporada passada, em que os dois tiveram trajetórias semelhantes. A comissão técnica está ciente de que Riquelme jogou menos da metade das partidas do Boca no ano – mas teve participação assídua até a final da Libertadores contra o Corinthians, em julho. No total, são 25 jogos e seis gols. Os Xeneizes jogaram 63 vezes em 2012, e 43 até a decisão da competição sul-americana. Depois disso, o craque teve seu contrato suspenso.

Leia também:  Diretoria do União decide manter 15 jogadores que disputaram a Série D

As lesões continuam afetando a carreira do meia. Ano passado, por exemplo, perdeu algumas partidas por causa de um problema no joelho esquerdo. Sem a mesma forma física de anos atrás, Riquelme também é considerado lento por parte da diretoria alviverde – mas não pelo presidente Arnaldo Tirone e pelo vice Roberto Frizzo, que defendem abertamente a contratação.

O técnico Gilson Kleina se mantém na defensiva, mas o histórico dentro do clube mostra que um jogador com o perfil de Riquelme não é prioridade para o comandante – ele prefere mesclar medalhões com jogadores mais jovens, e acredita que o time não suportaria duas estrelas na mesma posição. E duas estrelas que não estarão disponíveis em todos os jogos.

Leia também:  Brasil joga primeira partida do Grand Prix em Cuiabá

– Ninguém aqui discute o potencial do Riquelme. Ele tem uma capacidade técnica incontestável. Dentro de sua história, sempre esteve em alto nível por grandes equipes, e sempre correspondeu porque conquistou. E para servir à seleção argentina, é necessário ter muita qualidade, principalmente para a camisa 10 que ele usou. Mas é como o Valdivia: é preciso que sejam feitos análises físicas e fisiológicas para sabermos qual a melhor maneira de usá-los – disse, em entrevista coletiva na semana passada.

O Palmeiras gostaria de apostar na experiência de Riquelme, três vezes campeão da Libertadores com o Boca e representante da seleção argentina na década passada. A proposta está nas mãos do craque argentino, e o clube só aguarda a resposta para saber qual corrente levará a melhor no Palestra Itália: defensores ou detratores da contratação.

Leia também:  União vence e avança na série D
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.