Tanque do exército francês desembarca em Bamako, Mali (Foto: Andrew Winning/Reuters)
Tanque do exército francês desembarca em Bamako, Mali (Foto: Andrew Winning/Reuters)

O presidente da França, François Hollande, anunciou nesta terça-feira (15), em Abu Dhabi, que o país enviará mais soldados para Mali, onde novos bombardeios alcançaram seu objetivo na noite de segunda-feira (14).

“No momento, temos 750 homens e esse número irá aumentar”, disse o chefe de Estado a jornalistas durante uma visita à base militar “Campo da Paz” na capital dos Emirados Árabes Unidos, onde estão soldados franceses.

Hollande anunciou que “novos ataques feitos esta noite atingiram o seu objetivo” no Mali, onde os islâmicos evacuaram nesta segunda-feira (14) grandes cidades que ocupavam no norte do país, depois do bombardeio francês. Os rebeldes, no entanto, tomaram a cidade de Diabali, 400 km ao norte de Bamako, capital do país africano.

“Temos que ter muito cuidado, essa é a ordem que dei para evitar danos à população civil. Nesta noite houve alvos perfeitamente seletivos para que não houvesse consequências danosas para a população civil”, assegurou.

Leia também:  Homem agride cruelmente duas mulheres com golpes de martelo na França

A França “vai continuar a ter forças na terra e no ar”, acrescentou o presidente francês. “Estamos confiantes na rapidez com que poderemos deter os agressores, os inimigos, os terroristas”, disse.

Civis em fuga
Dezenas de milhares de civis estão fugindo dos novos confrontos armados no Mali, disse a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira (14), poucos dias depois de a França começar a bombardear posições de rebeldes islâmicos no norte do país africano.

“Estimadas 30 mil pessoas podem ter sido deslocadas como resultado direto do confronto no centro e norte do Mali”, disse o porta-voz da ONU Eduardo del Buey a jornalistas.

“Teme-se que o número de pessoas afetadas possa ser mais alto, já que houve relatos de que alguns grupos islâmicos impediram as pessoas de se deslocarem para o sul”, acrescentou.

Del Buey afirmou que o Ministério do Interior da vizinha Mauritânia confirmou que milhares de refugiados estão a caminho da fronteira, mas que não há um número significativo de malineses chegando a Burkina Faso e Níger.

Leia também:  Países apostam em faixa de pedestre em 3D para diminuir atropelamentos

“Desde março de 2012, cerca de 230 mil pessoas foram deslocadas pelos conflitos e a insegurança no Mali”, disse ele.

O norte do Mali caiu sob controle islâmico depois de um golpe militar em março de 2012, desencadeado por uma ofensiva de rebeldes tuaregues que tomou conta do norte do país e o dividiu em dois.

A França, que nos últimos dias mobilizou milhares de soldados em Bamako, a capital do Mali, voltou a realizar nesta segunda-feira bombardeios aéreos em uma vasta área desértica dominada desde o ano passado por uma aliança islâmica que inclui a “filial” local da Al-Qaeda e os grupos militantes autóctones Mujwa e Ansar Dine.

A França convocou uma reunião do Conselho de Segurança da ONU para tratar da crise no Mali nesta segunda-feira. Del Buey disse que o diretor de assuntos políticos da entidade, Jeffrey Feltman, falaria às 18h ao Conselho sobre a situação na nação africana.

Leia também:  Telejornalismo da Globo recebe duas indicações ao Emmy Internacional 2017

Na sexta-feira, a França informou que sua intervenção militar, iniciada a pedido do governo local, vai durar enquanto for necessário para dispersar os rebeldes islâmicos. Paris também pediu pressa aos países africanos na mobilização de uma força regional de apoio ao Exército malinês, conforme prevê a resolução 2.085 do Conselho.

A força africana, chamada Afisma, deve ter 3.300 soldados de países da África Ocidental, com apoio logístico, financeiro e de inteligência de países ocidentais. O plano original, no entanto, era de que essa força só estivesse instalada em setembro para dar tempo aos preparativos.

“A resolução 2.085 foi atropelada pelos fatos no fim de semana, conforme vocês viram”, disse Del Buey, acrescentando que “a resolução se mantém”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.