Foto: internet

O atacante chileno Eduardo Vargas é mesmo a “cereja do bolo” falada pelo diretor de futebol do São Paulo, Adalberto Baptista, no dia em que o zagueiro Lúcio foi apresentado. O clube está convencido de que ele é o melhor nome para substituir Lucas, negociado com o PSG. Tanto que não vê outra alternativa caso sua chegada não se concretize. A proposta ao Napoli já foi feita, e o Tricolor gostaria de começar o ano com o acerto garantido. As festas de fim de ano adiaram as conversas, mas o clube está de plantão, à espera de uma resposta positiva dos italianos para assinarem a papelada.

O São Paulo disputa a contratação de Vargas com Grêmio, Flamengo e, segundo alguns dirigentes, até o Santos já manifestou interesse no jogador. Quanto mais concorrentes, mais caro será o negócio, mas o presidente Juvenal Juvêncio sabe disso e está disposto a investir, pois vê no atleta a peça que falta para montar um elenco competitivo para 2013.

Leia também:  Distritão mudaria o quadro de eleitos da Câmara de Rondonópolis

A oferta tricolor ao Napoli é por empréstimo de um ano ou 18 meses. A compra de seus direitos é descartada, pois Vargas custou cerca de R$ 32 milhões ao clube italiano e ainda é jovem, tem 23 anos. Apesar do investimento, quase não foi utilizado na primeira temporada e já declarou intenção de sair. O Napoli também topa se desfazer do atleta.

Não está descartada a hipótese de o volante Casemiro ser incluído na negociação. O diretor de futebol do clube, Adalberto Baptista, está em excursão no exterior, passou por Abu Dhabi no fim de semana, e tem autonomia para negociar com o Napoli. Porém, o presidente Juvenal Juvêncio gostaria de manter Casemiro no grupo para 2013. Apesar das críticas internas ao desinteresse do jogador, que é visto como “deslumbrado” por membros da diretoria, Juvenal tem ótima relação com o volante desde que ele, assim como Oscar, foi induzido pelo empresário Giuliano Bertolucci a entrar na Justiça contra o Tricolor.

Leia também:  Vereadores buscam articulações para conquistar vagas na Assembleia em 2018

Ao contrário do que fez o atual meia do Chelsea e da seleção brasileira, Casemiro procurou a diretoria e rompeu com o agente. Antes do jogo contra o Corinthians, na última rodada do Campeonato Brasileiro, ele e Juvenal tiveram uma conversa em particular. O presidente acha que o atleta ainda pode dar a volta por cima e, hoje, não conseguiria negociá-lo por um valor de acordo com seu potencial. Sem falar que Casemiro pode atuar como volante e zagueiro, versatilidade importante numa temporada repleta de competições.

O Napoli já havia demonstrado interesse em Casemiro e, como Vargas é a prioridade total do São Paulo, pode ser que o jovem revelado em Cotia também jogue na Itália, emprestado.

Leia também:  Grupo define primeiras ações para retomada dos hospitais regionais

Caso assine, Vargas deverá ser a última contratação para 2013. Mesmo com dinheiro em caixa, já que vai receber cerca de R$ 117 milhões pela venda de Lucas, o clube não vai investir. Na avaliação da diretoria, já há muitos bons jogadores que terminaram o ano sem espaço entre os titulares, casos por exemplo de Fabrício, Maicon, Ganso, Cañete, Edson Silva, Douglas, e do próprio Casemiro. Inchar ainda mais o grupo poderia causar mal estar.

Outro aspecto que faz o São Paulo frear as contratações é o alto investimento em Cotia. A chegada de muitos jogadores inibiria o crescimento de jovens como João Schmidt, Ademilson e Lucas Farias. Além deles, o clube aposta em dois jogadores recém-contratados que vão disputar a Copa São Paulo de Juniores: o meia Lucas, ex-Desportivo Brasil, e o atacante Adelino, que veio do Guarani.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.