Foto: arquivo / AGORA MT
Foto: arquivo / AGORA MT

O Partido Progressista promete para hoje uma definição a respeito do novo titular da Secretaria de Saúde do Estado, a segunda mais importante parta da administração estadual com um orçamento de R$ 1 bilhão para 2013. A indicação do partido, no entanto, não é certeza de nomeação, tanto é que o governador Silval Barbosa andou conversando com diversas pessoas sondando nomes de técnicos que poderiam dar um novo ar a política de saúde de sua administração que pode estar limitada a mais um ano de mandato ou dois dependendo se o mesmo será candidato em 2014 ou não. Candidato, Silval teria que se desincompatibilizar até 30 de março de 2014, abrindo o Governo do Estado para o vice-governador Chico Daltro (PSD) que além de assumir pode também disputar a reeleição, já que está cumprindo o primeiro mandato seu como vice.

Leia também:  Escolas de Rondonópolis recebem melhorias em climatização

Aparentemente sem nomes de profissionais da área médica, o PP poderá optar por um entendimento político que começou a ser construído no ano passado que seria a formalização de um bloco parlamentar na Assembleia que reuniria também o PSD e outras siglas num total de 12 deputados para indicar o médico Guilherme Maluf (PSDB) para a função.

O problema é que diante da fragilidade da sigla o melhor mesmo seria um nome próprio, ainda voltou a especulação da possibilidade do também deputado Antônio Azambuja que já foi secretário de Esportes na atual administração assumir os quadros da Saúde que vive dias de dificuldades por falta de recursos e por questões ideológicas de sindicatos contrários as contratações das Organizações Sociais de Saúde – OSs, para gerenciamento das unidades de saúde do Governo do Estado.

Leia também:  Suinocultores de Mato Grosso apostam na produção de bioenergia

A indicação do médico Marcelo Sandrin que chegou a ser praticamente confirmada nas discussões internas do PP com o Governo do Estado acabou se inviabilizando por questões políticas e pela ascensão que o ainda deputado Pedro Henry teria no Partido Progressista que já chegou a ter cinco deputados estaduais e dois federais e hoje se resume a um federal e dois estaduais, os deputados Ezequiel Fonseca e Antônio Azambuja, além do próprio Henry. Henry assumiu a Secretaria de Saúde na administração Silval Barbosa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.