Ações integradas das diversas secretarias municipais, numa parceria permanente com a sociedade organizada e o Ministério Público têm como meta vencer a dengue em Rondonópolis. A secretária de Saúde do Município, Cida Favretto, afirma que a determinação do prefeito Percival Muniz é para se concentrar todos os esforços no sentido de impedir que a doença se alastre pela cidade. O Plano de Contingenciamento definido pelo Ministério da Saúde está sendo colocado em prática em caráter emergencial.

A expectativa da secretária é que a população também se envolva nas ações e cumpra o papel no combate à dengue. “Buscamos em poucos dias, a integração das secretarias porque entendemos que a dengue não é um problema exclusivo da Saúde. E envolve também a sociedade civil. É preciso que ela cumpra também o seu papel”, disse. Cida Favretto explica que toda equipe trabalha para prestar um atendimento à população que seja capaz de conter a propagação e evitar os riscos da doença.

A gerente do Departamento de Saúde Coletiva do Município, Rosana Zucato, conta que o planejamento das ações emergenciais de combate à dengue começou na primeira reunião realizada na sexta-feira (4). Cada parceiro tem um papel importante no programa de prevenção e tratamento da doença. O Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis – Sanear disponibiliza equipamentos para a retirada de água parada, como , por exemplo, piscinas que deixaram de receber a limpeza necessária.

Leia também:  Crise na UFMT pode dificultar autonomia do campus local

A equipe operacional da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis – Coder fica responsável por duas ações distintas. Os trabalhadores vão atuar na retirada de lixos e entulhos retirados de quintais, além dos mutirões que vão acontecer nos bairros com índice elevado de infestação do mosquito transmissor e limpeza de terrenos baldios. Aqueles que foram notificados e deixaram de limpar a área vão ser penalizados com as medidas impostas pela Secretaria da Receita.

Professores e responsáveis pelas creches municipais vão receber orientação da equipe pedagógica da Secretaria de Educação para desenvolver um trabalho de conscientização junto às crianças e pais de alunos sobre a importância de cada cidadão ajudar a combater a dengue  com ações que começam dentro de casa e podem influenciar toda comunidade. Rosana antecipa que a limpeza interna das escolas já está acontecendo. A medida vale também para as unidades da rede estadual de ensino.

Leia também:  Animais seguem sendo atropelados na 'avenida da Ponte Nova'

Escolas municipais e estaduais, Unidades Municipais de Educação Infantil – Umeis e creches vão receber bloqueio químico para combate do mosquito antes do início das aulas. As secretarias de Meio Ambiente – Semma e de Infraestrutura e Urbanismo – Sinfra vão colaborar com a fiscalização e a busca de possíveis focos.

Cobertura total

Rosana Zucato trabalha agora na recomposição da equipe e capacitação dos 116 agentes de saúde responsáveis por 100% de cobertura da cidade no programa de combate à dengue. Outra prioridade é reorganizar a estrutura de equipamentos e veículos, além da capacitação de médicos e enfermeiros que atuam nas 41 unidades de saúde do município. A expectativa agora é conquistar a parceria da Secretaria Estadual de Saúde para agilizar as ações.

O atendimento laboratorial já foi descentralizado para agilizar  coleta de exame para analisar casos de suspeita da doença. Além do Laboratório Central – Lacen, a população passa a contar com os serviços do Centro de Saúde Nossa Senhora do Amparo e da Vila São Francisco, PSF da Vila Olinda, Policlínica da Vila Operária.

Leia também:  1º Campeonato de Futebol Amador está com inscrições abertas até segunda

Foram adotadas medidas também para organizar a entrada de pacientes para garantir prioridade no atendimento de urgência e emergência aos casos mais graves. Rosana Zucato explica que as pessoas com suspeita da doença devem procurar primeiro as unidades do PSF. Somente os casos considerados graves são encaminhados ao Pronto Atendimento do Hospital Municipal – PA. A avaliação médica é que vai determinar a internação ou não no Hospital Regional.

Cida Favretto disponibilizou o telefone 4310.0223 para a população denunciar casos de terrenos baldios tomados pelo mato e o lixo e a existência de focos do mosquito. O telefone fica à disposição dos moradores no período das 7 às 17 horas, de segunda a sexta-feira. “Não vamos medir esforços para impedir que a dengue se alastre em Rondonópolis. A equipe da Secretaria de Saúde está mobilizada e vamos conseguir vencer”, aposta a secretária.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.