Uma das obras de travessia urbana mais aguardadas na av. Miguel Sutil segue rumo à etapa final de trabalho. O viaduto do Despraiado se destaca em meio às máquinas, operários e arquitetura local. O elevado, que tem 325 metros de comprimento e nove de altura em seu ponto mais alto, está com 50% dos serviços previstos executados.

Cerca de 90 trabalhadores atuam na frente de trabalho para o lançamento de vigas e concretagem de travessas. Das 156 vigas necessárias para dar sustentação ao viaduto, todas já foram concretadas e 100 foram lançadas. O próximo passo compreende a estrutura de pavimentação da obra. Também compõe o cronograma serviços de drenagem, sinalização e calçamento.

Quando o viaduto for concluído, o motorista que estiver trafegando pela Miguel Sutil e quiser continuar na via, passará por cima e percorrerá toda a extensão do elevado. Já o motorista que segue em direção aos bairros Santa Marta, Despraiado, Araés e Quilombo deverão trafegar pela pista marginal acessando a rotatória já existente no local, que será reestruturada para suprir o fluxo de veículos.

Leia também:  Cerca de 20% dos servidores da Politec não fizeram o recadastramento em 2017

Atento a qualquer mudança está o frentista Jefferson Matos Vicente, que há oito meses vêm acompanhando a evolução desta frente de trabalho.”Estou esperançoso. Todos os dias fico olhando se acontece algo novo e vejo que o pessoal aí está trabalhando até aos domingos”, fiscaliza Jefferson.

Construída e inaugurada na década de 80 para ser a perimetral da cidade, a avenida Miguel Sutil é um dos pontos mais movimentados de Cuiabá pelo fato de interligar vários bairros e abrigar uma diversificada rede de estabelecimentos comerciais. Em média mais de 5 mil veículos passavam pela via em horário de pico. Com a edificação do viaduto o tráfego será redistribuído, pois desviará veículos pesados do centro da cidade, reduzindo o tempo do trajeto e, consequentemente, o número de acidentes no local.

Leia também:  Mato Grosso cai duas posições no ranking de competitividade

OBRA

O Consórcio Atracon, formado pelas empresas Atrativa e Constral, é o responsável pela execução da obra orçada em 18,9 milhões. O prazo estimado para a entrega do viaduto é maio deste ano. A empresa também será responsável por realizar adequações viárias na entrada da av. Marechal Deodoro até o trecho de acesso ao Centro de Eventos do Pantanal, totalizando 1,8 Km.

Além da intervenção no Despraiado, estão em andamento as trincheiras Jurumirim/Trabalhadores, Santa Rosa, Verdão, o Complexo Viário do Tijucal e o viaduto da Dom Orlando Chaves. As obras de travessia urbana na capital são resultado de um convênio entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e o Governo do Estado de Mato Grosso, na ordem de R$ 165 milhões.
Essas intervenções abrangem os trechos urbanos de três rodovias federais (BRs 364/163/070), que englobam as avenidas Miguel Sutil, Fernando Corrêa da Costa e FEB.

Leia também:  Sejudh define criação de espaços ao público LGBT em unidades prisionais

ROTA ALTERNATIVA

Em razão do andamento da obra, quem trafega sentido Rodoviária-Várzea Grande deve, logo após o viaduto da rodoviária, entrar à direita na rua do Contorno, em seguida na primeira à esquerda, acessando a avenida Madri,no bairro Despraiado. Uma vez na avenida Madri, os motoristas devem seguir por aproximadamente 850m e virar à esquerda na rua Florinda Negrão que dá acesso à avenida Osvaldo Corrêa.

A partir daí o motorista pode seguir pela Osvaldo Corrêa voltando ao centro ou retornar à av. Miguel Sutil cruzando a av. Osvaldo Corrêa para ter acesso à rua Bom Jesus de Cuiabá, no bairro Santa Marta, que termina na Miguel Sutil.

Para auxiliar os motoristas nos desvios estabelecidos pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes Urbanos de Cuiabá (SMTU), nove semáforos foram instalados nos principais cruzamentos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.