A queda de 68% no lucro líquido da sucroalcooleira Tereos Internacional não impedirá a companhia de investir em cogeração no Brasil, o que permitirá dobrar a venda de energia no ano fiscal de 2013/2014.

A controladora da Açúcar Guarani obteve maiores volumes de produção, mas foi impactada por menores preços de açúcar e etanol no Brasil, bem como piores resultados na Europa.

Olivier Casanova, chefe da área de finanças da Tereos, mostra que o crescimento nas vendas esperado para 2013/2014 é de 50%. No trimestre entre outubro e dezembro, a receita de energia própria somou R$ 20,3 milhões, alta de 120%.

Em relação à produção de cana-de-açúcar, que atingiu 18,2 milhões de toneladas processadas no ano fiscal de 2011/2012, obtendo alta de 12%, com mix de 64% de açúcar e 36% de etanol, a empresa espera melhorar essa mistura.”Queremos deixar o mix mais igualitário, passando o açúcar para 60% e o etanol para 40%. No entanto, se a dinâmica do mercado pedir, a porcentagem do etanol vai subir”, aponta Casanova.

Leia também:  Com 882,8 mil toneladas processadas, esmagamento de soja apresenta maior patamar mensal em abril

De acordo com ele, este aumento pode vir por causa da mistura de anidro na gasolina que passará de 20% para 25% em 1º de maio. “Isso provavelmente absorverá uma parte significativa da produção adicional de cana-de-açúcar na safra de 2013/2014″, completa o chefe de finanças, dizendo que a produção de anidro será 15% maior.

Com alta demanda, a companhia afirma que o aumento de 6,6% no preço da gasolina na refinaria é suficiente para suportar o consumo de etanol.

Para 2013/2014, a estimativa de produção de cana-de-açúcar é de alta de 10%, totalizando mais de 20 milhões de toneladas.”Temos presença forte no mercado doméstico, que é baseado no açúcar. A maior parte de nossas vendas é no verão, por isso é natural termos resultados melhores nesses períodos”, destaca Casanova.

Leia também:  Saques do FGTS inativo encerram na segunda-feira

Ainda no setor de cana-de-açúcar, Casanova lista três prioridades para o crescimento da empresa no país. “Vamos continuar nossos esforços em mecanização agrícola, automação das fábricas e vamos melhorar os processos. Além disso, queremos expandir as vendas de eletricidade e fortalecer a posição com a Petrobras”, explica.

Em 2011, a subsidiária Guarani fechou acordo com a Petrobras para analisar a viabilidade para produção e comercialização de etanol em Moçambique.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.