BR 364 Duplicacao perimetro urbano  01O superintendente Regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) de Mato Grosso, Luiz Antonio Ehret Garcia, afirmou que o órgão está fazendo uma revisão no projeto da duplicação da BR-163, em Rondonópolis. A previsão de entrega dos resultados está prevista para março.

Segundo Garcia o Dnit é apenas a financiadora da obra e que a Prefeitura de Rondonópolis é a gestora. “O Dnit apenas repassa o dinheiro, mas é a Prefeitura quem faz pagamento e é a responsável pela fiscalização da construção”, comenta.

O superintendente explicou que desde o ano passado, na gestão do ex-prefeito José Carlos do Pátio (PMDB), que o Dnit enviou um relatório ao município com os resultados das falhas na execução da obra. “Esse relatório foi encaminhado para Prefeitura e desde aquela época, o Dnit aguarda uma decisão para saber o que será feito com a obra”, fala.

Leia também:  Governo entrega cartão Pró-família e paga cofinanciamento social em Alta Floresta

De acordo com Garcia a estrutura da pavimentação da duplicação não foi adequada para a atual demanda do tráfico que passa por este trajeto e que por isso se apresentou problemas. “A obra foi projetada para um volume de carros que passavam lá em 2005, mas isso mudou o tráfego é bem maior e a pavimentação da duplicação não foi planejada para suportar esse aumento”, conta.

Em relação à afirmação do prefeito de Rondonópolis, Percival Muniz (PPS) de que iria devolver a obra de duplicação para o Dnit (leia aqui), o superintendente alegou que o gestor pode fazer isso desde que preste conta do dinheiro que foi gasto com a obra. “E o recurso que não foi utilizado tem que ser devolvido ao Dnit”, diz.

Leia também:  Paranatinga e Juscimeira recebem Ações Integradas de Cidadanias

Garcia também lembrou de que essa diferença que será devolvida ficará perdida, ou seja, não voltará para Rondonópolis, já que a quantia retorna a conta única da União. O superintendente comentou que o Dnit está tentando marcar uma reunião com o prefeito Percival para saber se será dada ou não a ordem de reinício das obras. “Para que se comece a obras está faltando apenas uma decisão da prefeitura, e ela quem decide se vai tocar ou não a obra”, finaliza.

TRAVESSIA URBANA

O presidente do Conselho Distrital da Região Salmen (Condisa), Ailton Pereira da Silva, protocolou na segunda-feira (25) um pedido para haja uma investigação da Polícia Federal (PF) para saber sobre a demora nas obras de Travessia Urbana.

Leia também:  Inscrições para expositores já estão abertas

Segundo o Ailton essa situação tem prejudicado os moradores principalmente da região Salmen, já que a região fica em volta da BR-163 e que os habitantes ficam sem um local adequado para poder atravessar de um lado para outro da cidade, correndo assim muito riscos. “A nossa região conta com 43 bairros e estamos sem o direito de ir e vir por causa dessa demora das obras. A situação se arrasta e ninguém sabe explicar o que acontece”, fala.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.