O cardeal Keith O’Brien, homem mais importante na hierarquia da Igreja Católica na Grã-Bretanha, apresentou pedido de renúncia hoje (25), após de ter seu nome envolvido em um escândalo ocorrido há três décadas. O anúncio foi feito nesta segunda-feira pela Igreja católica escocesa.

De acordo com o comunicado, “o papa Bento XVI aceitou em 18 de fevereiro a demissão do cardeal O’Brien do governo da Arquidiocese de Saint Andrews e Edimburgo [Escócia]”.

O’Brien, de 74 anos, é acusado por três padres e um ex-sacerdote de ter se “comportado de maneira inapropriada” nos anos 1980. As quatro testemunhas alegam terem sido vítimas de assédio sexual.

O cardeal, que previa se aposentar no final do mês que vem, quando completa 75 anos, negou todas as acusações. Sua presença era prevista no conclave que vai eleger o novo papa, após a renúncia de Bento XVI.

Leia também:  Curandeiro se entrega a policia por ato de canibalismo "estou cansado de comer carne humana"

Segundo analistas, as revelações aumentam a pressão sobre a Igreja Católica, que já vinha enfrentando acusações de corrupção, má administração e pedofilia.

Com a renúncia de O’Brien, 115 cardeais devem participar do próximo conclave, o mesmo número de religiosos que escolheram Bento XVI. O pontífice, de 85 anos, anunciou sua saída este mês. Ele deixa o pontificado na próxima quinta-feira (28). A previsão do Vaticano é que o novo papa seja escolhido até a Páscoa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.