Cuiabá e Várzea Grande contam agora com 169 profissionais capacitados pelo Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento da Violência Sexual Infanto-Juvenil (Pair), com foco na Copa do Mundo de 2014. O curso, realizado modalidade à distância e encerrado nesta quinta-feira (21), é específico para as cidades-sede do Mundial, as quais vão receber um grande número de turistas. Os profissionais que atuam na rede de proteção são qualificados para que possam trabalhar na prevenção e identificação do tráfico, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

Outros 600 profissionais ligados à rede de proteção e assistência de crianças e adolescentes de seis cidades mato-grossenses vão integrar ao Pair e receber a capacitação a partir deste mês – desta vez na modalidade presencial, que acontece no Brasil desde 2003. A iniciativa foi da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh/MT), que apresentou um projeto junto a Secretaria Nacional de Direitos Humanos para continuar a execução do Pair em Mato Grosso.

Leia também:  Ministério Público de Mato Grosso é o mais premiado do país

O programa é uma política pública do governo brasileiro, desenvolvido pela Secretaria Nacional de Diretos Humanos e o Instituto Aliança, que orienta a articulação político-institucional e a realização de diagnóstico rápido e participativo sobre a situação de violência sexual contra crianças e adolescentes e sobre a rede de atendimento no município. O programa é executado por meio de ações de mobilização, capacitação da rede de atendimento e defesa de direitos e elaboração de um Plano de Enfrentamento Local.

A coordenadora do curso de Educação à Distância do Pair, Graça Gadelha, explica que a violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil mudou ao longo do tempo. Questões como Internet, redes sociais, expansão do turismo e o tráfico de pessoas tornaram a violência mais “complexa”, por isso é preciso “aprimorar cada vez mais as ações de enfretamento e qualificar os profissionais da rede de proteção para que possam identificar essas particularidades e saibam como agir em cada caso”, frisou a coordenadora.

Leia também:  Governo vai recuperar perímetro urbano de rodovia em Alto Araguaia

Segundo a secretária-adjunta de Direitos Humanos da Sejudh, Verinha Araújo, o Pair será estendido aos municípios turísticos de Nobres, Poconé, Cáceres e Alta Floresta, além de Cuiabá e Várzea Grande, que receberam o curso à distância focado na Copa do Mundo. O início é imediato, lembra a secretária, e já estão agendadas reuniões para a Capital e para Várzea Grande em fevereiro e início de março, seguidas das próximas cidades.

“Primeira etapa do Pair é mobilização, seguida de um diagnóstico da violência sexual contra a criança em cada município. Feito isso, será concedido o curso presencial de 60 horas, sendo 40h de conteúdo e 20h de oficinas. Após o término da capacitação será realizado um seminário de seis horas em cada cidade, onde apresentaremos o plano operativo local de enfrentamento”, explica Verinha.

Leia também:  Candidatos do concurso da Seduc devem redobrar atenção para às regras da prova

O assistente social do Hospital Universitário Júlio Müller, Marcos Antônio Julkovski, acredita que com o curso será possível aperfeiçoar as ações preventivas em Cuiabá para a Copa. “Serviu como aporte legal, teórico e prático para realizarmos um trabalho preventivo eficiente. São muitos os parceiros envolvidos nesse programa, os quais vão nos dar suporte para uma ação efetiva”, destacou o profissional.

O curso do Pair em Cuiabá também contou com a parceria da Policia Rodoviária Federal, Secretaria Municipal de Assistência Social e Desenvolvimento Humano de Cuiabá, Secretaria Municipal de Assistência Social de Várzea Grande e do Comitê Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.