A ex-vereadora de Curitiba Renata Bueno foi eleita deputada no Parlamento Italiano. Esta é a primeira vez em que uma brasileira com dupla cidadania é eleita para uma das vagas reservadas a expatriados na América Latina. Ela foi a candidata mais votada da chapa Unione Sudamericana Emigrati Italiani (USEI), que obteve aproximadamente 21 mil votos no Brasil e 18 mil na Argentina.

A advogada Renata Bueno foi vereadora entre 2009 e 2012 pelo PPS. Em 2012, ela tentou a reeleição para a Câmara Municipal de Curitiba, mas com 4.791 votos ficou com a primeira suplência da legenda. Com cidadania italiana por conta da origem da família em Treviso, na região do Vêneto, ela pôde se candidatar a uma das quatro vagas reservadas na Câmara para italianos ou pessoas com dupla cidadania residentes na América do Sul.

Leia também:  Empresários, servidores da Câmara entre outros são presos por fornecer comida podre a escola pública

“Quero trazer propostas que beneficiem não só os descendentes, mas toda a sociedade brasileira. O mundo sem fronteiras é uma coisa muito boa”, disse Bueno em entrevista por telefone ao G1. Ela foi para Roma acompanhar o resultado das urnas, que foi confirmado na madrugada desta quarta-feira (27). Além dela, foram eleitos os italianos Ricardo Merlo e Mario Borghese, do MAI, e Fabio Porta, do PD. No Senado, o brasileiro Fausto Longo, do PD, também foi eleito.

Bueno, que deve tomar posse no dia 12 de março, disse que o principal foco de atuação dela no Parlamento será melhorar a integração entre os mercados de trabalho para jovens italianos e brasileiros. “Hoje todo mundo busca uma experiência internacional. Precisamos integrar mais esse intercâmbio, porque muitos italianos querem ir para o Brasil, e muitos brasileiros querem ir para a Itália”, destacou.

Leia também:  Quadrilha mata cabo da PM e causam pânico em MG após assaltos a bancos

A nova deputada também afirmou que pretende apoiar a formação de um governo de centro-esquerda, encabeçado por Pier Luigi Bersani. “Os italianos estão super divididos, mas a nossa ideologia é, e sempre será, de centro-esquerda. Vamos compor o bloco do Bersani”, afirmou. O líder de centro-esquerda conquistou o controle da Câmara, mas no Senado Bersani não conseguiu maioria. Como ambas as Casas são necessárias para aprovar leis, a centro-esquerda vai precisar do apoio do Movimento Cinco Estrelas, do humorista Beppe Grippo, ou da centro-direita do ex-premiê Silvio Berlusconi, o que não é provável.

Caso não haja acordo entre os parlamentares para a formação de um governo, uma nova eleição deve ser convocada. Bueno garante que, caso isso aconteça, ela deve ser candidata novamente. “Claro, sigo em frente, tenho muito trabalho para fazer”, disse.

Leia também:  Repórter é presa por atuar como "pombo correio" levando informações para facção de SP
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.