A operação feita pela Força Tática e o Comando de Ação Rápida (CAR), realizado na noite desta quarta-feira (20/02) no Jardim Ipanema poderia ter rendido mais frutos caso o cão farejador solicitado de Polícia Militar à Polícia Federal tivesse sido utilizado na ação.

Acontece que o único animal adestrado no município pertence a Polícia Federal (PF) e como a ação da Força Tática se utilizou do elemento surpresa na operação, a PF não foi avisada antecipadamente e quando foi solicitada a presença do cão farejador ele não pode “trabalhar”, pois havia a necessidade de um guia (policial) especializado para atuar com o animal no procedimento de busca de drogas.

Advertisements
Leia também:  A revolta dos alunos

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.