Ocupantes da Fazenda Recreio Moreno, na região do Tarumã em Guiratinga, acusam um investigador da Polícia Civil do município de efetuar disparos contra as famílias do Movimento dos Trabalhadores Agrícolas (MTA) que estão vivendo na área.

A representante do acampamento, Rosalia de Jesus Lima, argumentou que há cerca de um mês aproximadamente 250 famílias ocuparam parte da propriedade, em razão de o espaço estar improdutivo, pelo menos há 10 anos. E desde então tem feito cobranças do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para que possa regularizar a área em favor do movimento. Contudo em uma das reuniões a proprietária da fazenda se posicionou contraria a ocupação e disse “que de um jeito ou de outro as famílias desocuparão a fazenda”, relatou Rosalia.

Leia também:  Cerca de 3,5 mil pessoas são atendidas pela 9ª Caravana da Transformação em MT

Após uma das reuniões dois vigias do acampamento ouviram, por volta das 23h de sexta-feira (22), dois disparos de arma de fogo em direção ao acampamento, vindo de um carro branco que fugiu do local. Diante do fato Rosalia acionou a Policia Militar que realizou uma barreira na região com o intuído de localizar os suspeitos.

Contudo o único veículo da cor informada pelos ocupantes e abordado na barreira se tratava do gol branco pertencente a um investigador da Policia Civil de Guiratinga e o mesmo é genro da proprietária da fazenda ocupada, segundo a representante do acampamento. Consta no Boletim de Ocorrência que ao ser questionado sobre o fato o agente disse apenas que efetuou disparos no Tarumã.

Leia também:  Com probabilidades de chuvas, período exige cautela de motoristas nas rodovias

A delegada do município, Ligia Pinto da Silveira Avelar, informou que foi solicitada a perícia das capsulas para que seja feita a investigação e o autor ou autores sejam responsabilizados.

 

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.