salao alto taquari
Um dos salões de Alto Taquari que não estão adequados – Foto: Carlos Gifani / correspondente

Após o incêndio em Santa Maria no interior do Rio Grande do Sul onde mais de 235 pessoas morreram e muitos ainda se encontram hospitalizados, as autoridades de todo o país começaram a fiscalizar e dar mais atenção aos alvarás e projetos de segurança nos locais que são realizados eventos. Em Alto Taquari a situação não foi diferente, o Promotor de Justiça, João Batista de Oliveira, expediu uma Notificação Recomendatória aos Órgãos Responsáveis, pedindo a fiscalização das casas de festas, Shows, Clubes, bares e empreendimentos congêneres, onde a prefeitura só deverá expedir o alvará de funcionamento caso os respectivos proprietários apresentarem toda a documentação necessária.

Nesses casos é preciso o PSCIP (Processo de Segurança Contra Incêndio e Pânico), o APCIP (Alvará de Prevenção Contra Incêndio e Pânico) e Ainda o ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), para garantir a total segurança do ambiente e das pessoas que os frequentam. O promotor lembrou ainda que durante as festas de carnaval as recomendações devem ser fielmente cumpridas, inclusive após a vistoria de bares e locais de eventos que foram fechados e só serão reabertos após as adequações.

Leia também:  Grupo de dança típica de Cuiabá vence título mundial na Turquia

Alto Taquari, conta com diversos salões para realização de eventos, mas infelizmente nenhum está totalmente adequado às normas exigidas pelas autoridades competentes. O promoter de eventos na cidade, Carlos Gifani, contou que em uma festa denominada Garota Hawaiana, no Ano de 2009, não conseguiu o Alvará para a realização do mesmo, tendo assim que adiar e solicitar uma vistoria junto ao Corpo de Bombeiros de Rondonópolis.

“Tive que realizar várias mudanças e adequar o local com as normas exigidas, e só um mês após a data prevista consegui realizar o evento com todas as documentações para o perfeito funcionamento e segurança das pessoas presentes no evento”, fala Carlos.

O promoter de eventos afirma que vê a proibição como um ponto positivo. “Infelizmente foi preciso uma tragédia como a de Santa Maria-RS, para abrir os olhos e pensar em mais segurança, e para que os proprietários dos Salões de Eventos entre outros sigam as leis e passem a oferecer total segurança aos seus clientes e as pessoas que sempre estão presentes em eventos. É preciso que jovens passem a poder ir a festas, shows e outros sem que os pais se preocupem com a segurança do local”, diz.

Leia também:  Municípios realizam conferências de Assistência Social

salão alto taquari1

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.