salao alto taquari
Um dos salões de Alto Taquari que não estão adequados – Foto: Carlos Gifani / correspondente

Após o incêndio em Santa Maria no interior do Rio Grande do Sul onde mais de 235 pessoas morreram e muitos ainda se encontram hospitalizados, as autoridades de todo o país começaram a fiscalizar e dar mais atenção aos alvarás e projetos de segurança nos locais que são realizados eventos. Em Alto Taquari a situação não foi diferente, o Promotor de Justiça, João Batista de Oliveira, expediu uma Notificação Recomendatória aos Órgãos Responsáveis, pedindo a fiscalização das casas de festas, Shows, Clubes, bares e empreendimentos congêneres, onde a prefeitura só deverá expedir o alvará de funcionamento caso os respectivos proprietários apresentarem toda a documentação necessária.

Nesses casos é preciso o PSCIP (Processo de Segurança Contra Incêndio e Pânico), o APCIP (Alvará de Prevenção Contra Incêndio e Pânico) e Ainda o ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), para garantir a total segurança do ambiente e das pessoas que os frequentam. O promotor lembrou ainda que durante as festas de carnaval as recomendações devem ser fielmente cumpridas, inclusive após a vistoria de bares e locais de eventos que foram fechados e só serão reabertos após as adequações.

Leia também:  Febre Chikungunya aumenta 116% neste ano em Mato Grosso

Alto Taquari, conta com diversos salões para realização de eventos, mas infelizmente nenhum está totalmente adequado às normas exigidas pelas autoridades competentes. O promoter de eventos na cidade, Carlos Gifani, contou que em uma festa denominada Garota Hawaiana, no Ano de 2009, não conseguiu o Alvará para a realização do mesmo, tendo assim que adiar e solicitar uma vistoria junto ao Corpo de Bombeiros de Rondonópolis.

“Tive que realizar várias mudanças e adequar o local com as normas exigidas, e só um mês após a data prevista consegui realizar o evento com todas as documentações para o perfeito funcionamento e segurança das pessoas presentes no evento”, fala Carlos.

O promoter de eventos afirma que vê a proibição como um ponto positivo. “Infelizmente foi preciso uma tragédia como a de Santa Maria-RS, para abrir os olhos e pensar em mais segurança, e para que os proprietários dos Salões de Eventos entre outros sigam as leis e passem a oferecer total segurança aos seus clientes e as pessoas que sempre estão presentes em eventos. É preciso que jovens passem a poder ir a festas, shows e outros sem que os pais se preocupem com a segurança do local”, diz.

Leia também:  No 1º semestre, MT registra alta de 360% em notificações de chikungunya

salão alto taquari1

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.