Colônia Z3 está de portas fechadas devido a falta de peixe - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Colônia Z3 está de portas fechadas devido a falta de peixe – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

A principal rede de abastecimento de peixe de Rondonópolis, a Colônia Z3, inicia o período de Quaresma (que aumenta o consumo de pescado) de portas fechadas e sem o produto para oferecer. O presidente da Colônia de pescadores Z3, Antônio Saldanha Dantas (Heleno), afirma que esse desabastecimento se deve ao período de proibição, a Piracema, que ainda está em vigor.

“O estoque desse ano não foi suficiente e ficamos sem peixe. Essa situação deve permanecer assim até o fim da proibição que só termina no fim de fevereiro”, fala. A Piracema começou no dia 5 de novembro e vai até 28 de fevereiro nos rios das bacias hidrográficas do Paraguai e Amazonas em Mato Grosso.

Leia também:  Moradores do Colina Verde e Sagrada Família reclamam da falta de água nos bairros

De acordo com o presidente devido as frequentes enchentes deste ano, o volume de peixes na região deve ser maior. “Sempre quando tem enchente nos rios, a próxima safra passa a ser melhor, já que os peixes que ficavam retidos em algumas áreas passam a migrar para outros pontos do rio”, explica.

Antônio afirma que mesmo com a Quaresma, a procura por peixe é mais intensa na Semana Santa (de 25 a 29 de março) e que nesse período já deve estar com o produto em estoque suficiente para atender a cidade.

COLÔNIA Z3

Atualmente fazem parte da Colônia Z3 cerca de 300 pescadores de 10 municípios, sendo que em torno de 160 são de Rondonópolis. Durante esse período de proibição, os pescadores profissionais recebem uma verba para poderem se manter na Piracema.

Leia também:  Área Social é destaque em audiência pública que discutiu projeto da LOA 2018

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.