Jose RivaPrestes a tomar posse pela sexta vez na presidência da Assembleia Legislativa, o deputado estadual José Riva (PSD) afirma não ver “continuísmo” na gestão. “Confesso que já estava um pouco desestimulado, porque é muito tempo de mandato, mas sempre encontro forças para renovar e inovar. Não acho que há continuísmo”, diz.

Reeleito graças à reformulação do Regimento Interno da Casa, o social-democrata justifica ter atendido a um apelo da maioria dos parlamentares se mantendo à frente do Legislativo.

Ele também afasta os rumores de que sua recondução seja parte de uma estratégia para assumir o Governo do Estado no próximo ano. O suposto plano seria colocado em prática com a renúncia do governador Silval Barbosa (PMDB) para disputar uma vaga no Senado em 2014.

Leia também:  Aécio é afastado do senado e proibido de sair de casa durante a noite

“Isso é exercício de futurologia de quem não tem o que fazer. Meu objetivo é ser presidente da Assembleia. Tenho o maior respeito pelo nosso vice-governador (Chico Daltro), membro do meu partido. Se o Silval sair, é ele que assume e vou apoiá-lo”, garante o deputado.

Riva será reconduzido à presidência da AL hoje, a partir das 9h, em sessão solene. Além dele, tomam posse os deputados Mauro Savi (PR), primeiro-secretário; Romoaldo Júnior (PMDB), como primeiro vice-presidente; Antônio Azambuja (PP), segundo vice-presidente; e Dilmar Dal Bosco (DEM), Luiz Marinho (PTB) e Airton Português (PSD) nos cargos de primeiro, segundo e terceiro secretários, respectivamente.

Entre as prioridades destacadas por Riva para este ano está a aprovação da Lei de Eficiência Pública, ainda em elaboração. Segundo ele, a proposta é complementar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que limita os gastos de órgão públicos com a contratação de pessoal.

Leia também:  Projeto do Vereador Thiago Silva prevê que município consuma 30% de produtos da agricultura familiar

“Ela propõe algo mais. Limitar os investimentos na atividade meio, fazendo chegar mais recursos no final, no atendimento ao cidadão. Não vou me dar por satisfeito se terminar minha participação política sem votar essa lei, que vai ser uma referência para todo o Brasil”, diz.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.