O tucano Rodrigo da Zaeli (PSDB) falou mais uma vez em defesa da volta da Secretaria Municipal de Apoio a Segurança Púbica – Semasp, na sessão ordinária desta semana na Câmara.

Rodrigo confirmou uma reunião na noite da próxima quarta-feira (6) com o prefeito da cidade, Percival Muniz, para debater o tema com o chefe do Executivo. Outros membros do legislativo local e da Administração do Município também devem estar presentes.

A volta da Semasp vem sobretudo por um anseio popular que clama a volta da secretaria e das viaturas nas ruas. Administrativamente, porém, a Prefeitura não tem recursos suficientes para manter a efetividade da iniciativa, tomada ainda pelo ex-prefeito, Ananias Filho (PR).

Leia também:  Vereadores de Costa Rica participam de evento nacional

Percival pensa e já declarou por diversas vezes que a Constituição tem de ser respeitada, desta forma, o Estado, que é o principal responsável por investir em Segurança Pública, que o faça da maneira que deve fazer.

Ainda em 2012, Percival comparou Rondonópolis com Primavera do Leste para deixar claro que o Governo de Mato Grosso não atende os anseios locais. “O número do efetivo tem de ser proporcional ao de habitantes, mas não é o que acontece aqui. Primavera do Leste tem praticamente um quarto da nossa população e tem 130 policiais. Nós aqui, com 200 mil habitantes, temos de conviver com 260, estando grande parte deles lá na Mata Grande, é inadmissível”, sustentou na época.

Leia também:  Projeto que impede corte de água e luz de usuários de baixa renda é aprovado por comissão

Na prática, Percival não renovou parceria com o Estado em dois meses de gestão e a secretaria, que já havia perdido força com o próprio Ananias Filho, depois da derrota nas urnas, não deve mesmo retornar.

Rodrigo, no entanto, é um dos que ainda luta pela sobrevivência da Semasp e deve argumentar isto com o gestor. Para Rodrigo, a ostensividade trazida com os policiais nas ruas acaba por economizar os cofres públicos e não gerar despesas, como se pensa.

“O preventivo da PM é o que impede um acidente, um assalto ou coisas do tipo e isto é economia para o Samu, por exemplo. Não é custo e sim investimento preventivo, principalmente na área da saúde”, disse Rodrigo nesta quarta-feira (27).

Leia também:  Prefeitos discutem alternativa para solucionar o caos na saúde

COMPOSIÇÃO

A ideia inicial da Semasp consistia em uma parceria do Município com o Governo do Estado, onde para a Prefeitura ficaria a responsabilidade de custear o salário dos policiais militares, que seriam cedidos em momento de folga para o serviço. Além disso, o Município ainda pagava o aluguel das viaturas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.