Foto: Rainer Berg / Stoxk.xchng
Foto: Rainer Berg / Stoxk.xchng

Com uma alta incidência — uma a cada mil nascimentos — a mielomeningocele é uma doença congênita que acomete o bebê entre a terceira ou quarta semana de vida intra-uterina. Ocorre uma alteração nas estruturas que formarão a coluna vertebral e medula espinhal, provocando uma paralisia grave que atinge a bexiga, o intestino e os membros inferiores, em graus variados.

— Ao nascimento, o bebê apresenta uma descontinuidade na pele com exposição dos nervos nas costas. A maioria também apresenta hidrocefalia. É uma doença grave que acomete vários órgãos e sistemas do organismo — explica o médico ortopedista Antonio Carlos Fernandes.

A causa da doença é multifatorial, sendo descritos fatores genéticos e ambientais. Um deles é a carência de ácido fólico (vitamina do complexo B) no organismo da mãe na época da concepção. Por isso, a prevenção da doença é um fator muito importante.

Leia também:  O futuro dos tratamentos para as doenças do coração

— É recomendado que todas as mulheres em idade fértil façam o uso de vitamina B9 diariamente — destaca o ortopedista.

Em 2002, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a adição de 4,2 miligramas de ferro e de 150 miligramas de ácido fólico para cada 100 gramas de farinha de trigo e de milho. A intenção era reduzir a prevalência de anemia por deficiência de ferro e prevenir defeitos do tubo neural.

— A iniciativa é excelente, mas a quantidade existente nas farinhas e insuficiente para prevenir a mielomeningocele — afirma a neurocirurgiã pediátrica Nelci Zanon Collange.

Recentemente, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) lançou a recomendação de consumo de suplementos de ácido fólico — 400 microgramas por dia durante pelo menos um mês antes de engravidar e ao longo do primeiro trimestre de gestação — período em que o tubo neural está em pleno desenvolvimento.

Leia também:  Mães com insônia afetam a qualidade do sono de filhos pequenos

— A maioria das gestações não são programadas. Quando o ácido fólico é prescrito para a mãe após a concepção, pode-se prevenir, em parte, o lábio leporino e a fenda palatina, mas não a mielomeningocele. Por isso a recomendação do uso do acido fólico durante todo o período fértil das mulheres é fortemente recomendada — destaca Nelci.

O ácido fólico é uma vitamina presente em alimentos como o espinafre, aspargo, brócolis, vegetais de folhas verde-escuras, fígado, frutas cítricas e gema de ovo. Entretanto, para as mulheres que planejam engravidar, recomenda-se a ingestão de suplementos dessa vitamina. Neste caso, é importante consultar um médico que poderá orientar sobre a prescrição correta.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.