O oposicionista Henrique Capriles (Foto: AFP)
O oposicionista Henrique Capriles (Foto: AFP)

Henrique Capriles recebeu da oposição da Venezuela convite para ser candidato à presidência do país nas eleições marcadas neste sábado (9) para o dia 14 de abril.

O porta-voz da Mesa da Unidade Democrática, aliança de partidos de oposição da Venezuela, Ramón Guillermo Aveledo, anunciou após a coletiva do Conselho Nacional Eleitoral, que a aliança opositora está disposta a participar nos comícios do 14 de abril em apoio ao governador de Miranda, Henrique Capriles Radonski, que já participou das eleições do 7 de outubro.

Porém, Capriles ainda não confirmou se aceitará a candidatura. Ele anunciou neste sábado que está “avaliando” o convite.

“Estou analisando a declaração da presidente do CNE [Conselho Nacional Eleitoral] e nas próximas horas comunicarei ao país sobre a minha decisão”, disse Capriles em seu perfil no Twitter por volta das 19h, no horário de Brasília (17h30 em Caracas).

Ele deve ser adversário do presidente interino, Nicolás Maduro, provável candidato do governo.

Após uma extensa reunião, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) aprovou neste sábado o cronograma que regirá a campanha eleitoral após a morte do chefe de Estado, Hugo Chávez, na passada terça-feira (5).

Os candidatos à presidência da Venezuela, após a morte do líder Hugo Chávez, poderão formalizar a sua candidatura até a próxima segunda-feira (11).

Leia também:  Enchente deixa mortos na Itália e buscas por desaparecidos continuam

Pelo cronograma eleitoral aprovado, a campanha eleitoral começará no dia 2 de abril e será permitida até o dia 12.

A presidente do CNE, Tibisay Lucena, informou que os prazos foram reduzidos, mas que todos os passos para garantir um processo transparente foram tomados em conta.

Tibisay pediu às Forças Armadas lembrar da sua responsabilidade no processo e obrigação de fazer cumprir a constituição nacional.

O vice-presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que deverá o candidato do governo, assumiu a presidência interina da Venezuela na noite desta sexta-feira (8). A interinidade foi questionada pelas forças opositoras, que consideram que o Maduro não pode ser presidente interino e candidato eleitoral de forma simultânea.

Quarto dia de velório

Nas longas filas para despedir-se dos restos mortais de Hugo Chávez, morto na terça-feira (5), o tema de conversação neste sábado (9), quarto dia do velório do chefe de Estado, não era só a morte do líder. Agora, os seguidores da Revolução Bolivariana de Chávez começam a debater a sucessão e o futuro do projeto político tão defendido por eles.

O grito de “Chávez vive” se mistura com o novo slogan eleitoral do chavismo: “Com Chávez e Maduro, o povo está seguro”. Maduro era o vice-presidente nomeado por Chávez e assumiu, na sexta-feira (8), o cargo de presidente interino do país. Ele deve ser o candidato do movimento chavista na eleição presidencial que, pela constituição, deverá ser realizada em abril (o prazo é de 30 dias após a morte do presidente eleito, caso ele tenha morrido sem tomar posse).

Leia também:  Entre choros e abraços, famílias separadas pela guerra se reencontram

Clima eleitoral toma conta dos chavistas

O comerciante José Pérez chegou na Academia Militar de Caracas às 7h da manhã deste sábado (8h30 em Brasília). Durante as mais de quatro horas na espera, Pérez discutia com seus vizinhos no lugar acerca da importância de manter a disciplina e garantir a eleição de Maduro com mais de 10 milhões de votos, a meta eleitoral que Chávez tentou em vão romper em várias ocasiões.

“É um presente que devemos dar para o nosso comandante, devemos fazer isso para demostrar que ele ainda vive”, comentou Pérez, depois de confessar que ele tivesse preferido outros nomes para o sucessor, como o atual chanceler, Elías Jaua. “Mas a decisão de Chávez foi o Maduro e nós respeitamos a última vontade do nosso presidente”, acrescentou.

A campanha eleitoral que desponta de forma tácita na Academia Militar tem foco em Chávez. O rostro do defunto presidente aparece até sobre guloseimas, enquanto o nome do Maduro é gritado sempre fazendo menção ao seu “pai político”.

Leia também:  Idoso é resgatado com vida após ficar 5 dias em apartamento incendiado

A professora Sonia Pereira, de 54 anos, assistiu ao funeral para expressar a sua gratidão ao criador do processo revolucionário. Para ela, teria sido sido melhor nomear o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, como sucessor de Chávez na presidência. “Ele era militar e era bom porque o Chávez também era militar, e com ele estávamos mais organizados, mas, se a sua escolha foi Maduro, será por alguma razão”, diz.

A professora Sonia acha que a votação pode superar a recolhida nas urnas em outubro do ano passado, e que a meta dos dez milhões de votos não é impossível.

Alguns soldados do Exército venezuelano encarregados da segurança, controle e entrega de alimentos no parque Los Próceres afirmaram que não se importam com a possibilidade de ter de novo um presidente civil. Consultados pela reportagem, eles dizem não temer mudanças no seu status nem nas suas condições de vida.

O motorista Genaro Basulto, 39 anos, diz que em seu bairro ainda não começaram os trabalhos de organização dos novos comícios para eleger o próximo presidente da Venezuela. Mas opinou que o tempo restante, mesmo que pouco, é suficiente para esquentar a mobilização vermelha.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.