A principal corrida na estreia da temporada 2013 do Moto 1000 GP, no domingo (21), no Autódromo de Interlagos, São Paulo, foi vencida por Alexandre Barros (Alex Barros Racing). Ele ocupou a vaga do filho Lucas, que ainda se recupera de uma queda num treino de pré-temporada. O mais vitorioso piloto brasileiro no Mundial Moto GP largou da pole position na categoria GP 1000 e fez uma corrida à parte. Estabeleceu a volta mais rápida do GP Petrobras e quebrou o recorde do circuito de Interlagos, cravando o tempo de 1min38s569, que vale pelo Campeonato Brasileiro de Motovelocidade.

“Corri porque havia compromissos com patrocinadores. Mas é só aqui. Se o Lucas não estiver bem até Curitiba, vou somente com o Luciano Ribodino”, garantiu Barros, já falando como chefe de equipe na coletiva de imprensa. Ele falou sobre o Moto 1000 GP, projetando o crescimento da competição. “A continuar nesse ritmo o campeonato será um dos maiores do mundo daqui a dois anos”, previu.O argentino Luciano Ribodino (Alex Barros Racing) chegou na segunda posição após travar intensa disputa com o brasileiro Diego Faustino (Petronas Eurobikes SBK Team), terceiro no pódio.

Ordem de chegada da categoria GP 1000:
1°) Alex Barros, 24mins59s067
2°) Luciano Ribodino, a 16s050
3°) Diego Faustino, a 16s134
4°) Ricieri Luvizotto, a 24s309
5°) Alan Douglas, a 24s922
6°) Murilo Colatreli, a 32s675
7°) Alecsandre De Grandi, a 33s496
8°) Sebastiano Zerbo, a 34s251
9°) Miguel Praia, a 37s423
10°) Alberto Lopez, a 46s790
11°) Danilo Lewis, a 47s258
12°) Helder Shad, a 1min30s786
13°) Octávio Lucchini, a 1min47s274
14°) Victor de Moura, a 1 volta
15°) Marcos Salles, a 1 volta
16°) Alex de Quadros, a 1 volta
17°) André Luiz Carvalho, a 1 volta
18°) Daniel Lenzi, a 1 volta
19°) Jaime Cristobal, não completou
20°) Diego Pretel, não completou
21°) Wesley Gutierrez, não completou
22°) Rafael Paschoalin, não completou
23°) Pierre Chofard, não completou
Melhor volta: Alex Barros, na 3ª, 1min38s569, média de 157,376 km/h

Leia também:  Palmeiras assume a vice-liderança após vencer Grêmio fora de casa

GP Light
A corrida válida pela categoria GPLight/ GP Máster teve a primeira largada anuladadevido à queda de seis pilotos na curva do final da reta oposta na primeira volta. Na nova largada, Renato Andreghetto (Pitico Race),que largou na pole, caiu para segundo, mas recuperou a liderança ganhando a posição de André Paiato (Alex Barros Racing) na mesma volta, no fim da reta oposta.Andreghetto havia abandonado as corridas após uma queda na etapa de Brasília no ano passado

“Retornei com apoio da família, e vou continuar treinando forte, porque neste ano a qualidade técnica dos adversários evoluiu bastante. Estou focado em terminar o ano entre os três primeiros. Corridas são sempre imprevisíveis, mas acho que terei um ano bom”.Avaliou. André Paiato manteve o segundo lugar, seguido de Marcelo Cortes (SBK Rio), que subiu ao pódio em terceiro.

Ordem de chegada da categoria GP Light:
1°) Renato Andreghetto, a 20min44s119
2°) André Paiato, a 4s554
3°) Marcelo Cortes, a 10s415
4°) Davi Costa, a 18s922
5°) Henrique Castro, a 20s846
6°) Flávio Sukar, a 26s886
7°) Paulinho Kamba, a 31s883
8°) Luis Fittipaldi, a 32s326
9°) William Pontes, a 34s332
10°) Ricardo Levy, a 59s606
11°) Fábio Adas, a 1min01s725
12°) Eliandro Simonini, a 1min01s866
13°) Tiago Pavanelli, a 1min03s283
14°) Jose Aguilar, a 1min08s449
15°) André Escomparim, a 1min09s206
16°) José Renato Ferrucio, a 1min27s676
17°) Hebert Ribeiro, a 1min28s011
18°) Marlon Felizardo, a 1min28s359
19°) Pedro Barata, a 1min40s130
20°) Leocir de Oliveira, a 1min43s543
21°) Edson Luiz, a 1min45s972
22°) Rodrigo Araujo, a 2mins07s552
23°) Sérgio Prates, a 1 volta
24°) Luciano Gomes, a 1 volta
25°) Marcelo de Oliveira, a 1 volta
26°) Cristiano Lorenz, a 1 volta
27°) Cristiano Ferreira, a 1 volta
28°) Fernando Silva, a 1 volta
29°) Rodrigo Camarão, a 1 volta
30°) Walmir Junior, a 2 voltas
31°) Sandro Venezuela, não completou
32°) Francisco Snoeck, não completou
33°) Heferson Ferraz, não completou
Melhor volta: Renato Andreghetto, na 8ª, 1min42s669, média de 151,091 km/h

GP Máster
A divisão Máster que compete no mesmo grid com a GP Light teve a vitória de Sidnei Scigliano (MotrixScigliano Racing), com Othon Russo (CrazyDog), em segundo, e o campeão do ano passado, Alberto Braga (Center Moto Racing Team), em terceiro lugar. “Uma prova difícil, mas estou feliz por competir de igual para igual com os demais. Foi maravilhoso começar o ano com vitória”, frisou Scigliano.

Leia também:  José Aldo terá a revanche pelo cinturão contra o atual campeão Max Holloway

Ordem de chegada da categoria GP Máster:
1°) Sidnei Scigliano, a 21min43s770
2°) Othon Russo, a 6s465
3°) Alberto Braga, a 28s719
4°) Levy Mendes, a 48s740
5°) Egon Kothy, a 1 volta
6°) Elson Tenebra, a 1 volta
7°) Nelson Gonçalves, a 1 volta
8°) Guilherme Emmer, a 1 volta
9°) Victor Braga, não completou
Melhor volta: Sidnei Scigliano, na 5ª, 1min46s294, média de 145,939 km/h

GP 600
O argentino Sergio Fasci (MG Bikes Yamaha Racing) largou melhor e venceu a GP 600 sem ser ameaçado. O brasileiro André Veríssimo (MotrixScigliano), pole position, caiu para o quarto lugar e fez uma corrida de recuperação, chegando no segundo lugar ao vencer o duelo com o espanhol Manuel Jimenez (Grinjets SBK Racing). “Consegui manter o ritmo, tirando o melhor da moto. O nível está muito forte, será bom correr todo o calendário brasileiro”, afirmou o argentino. O pódio do Moto 1000 GP valendo pelo Campeonato Brasileiro de Motovelocidade reuniu pilotos de três países, Brasil, Argentina e Espanha, e dois continentes, América e Europa.

Ordem de chegada da categoria GP 600:
1°) Sergio Fasci, 21mins40s550
2°) André Veríssimo, a 6s100
3°) Manuel Jimenez, a 7s568
4°) Sérgio Laurentys, a 24s031
5°) Marciano Santin, a 31s775
6°) Ademilson Peixer, a 32s879
7°) Marcus Trotta, a 39s187
8°) Dudu Costa, a 39s353
9°) Ives Moraes, a 46s872
10°) Alex Pires, a 1min15s778
11°) Gilvan Zeferino, a 1min27s481
12°) Cesar Almeida, a 1min43s725
13°) Raoni Farfan, a 1 volta
14°) Fernando Lira, a 1 volta
15°) Marcos Venicius, a 1 volta
16°) Cayto Trivellato, não completou
17°) Edson Fibla, não completou
18°) Rodrigo Souza, não completou
19°) Walter Pimentel, não completou
20°) Rafael Bertagnolli, não completou
20°) Igor Érnica, não completou
Melhor volta: Sérgio Fasci, na 5ª volta, 1min44s384, média de 148,609 km/h

Leia também:  Seleção masculina de futsal brasileira disputará amistosos em Mato Grosso

GPR 250
Na categoria de formação GPR 250, Igor Calura (Mototech) venceu de ponta a ponta. Gustavo Pavoni (Irmãos Pavoni Lima), foi segundo, com Pedro Sampaio(Fábio Loko) na terceira colocação. “Chegamos no sábado. Por issoperdemos metade dos treinos, só tivemos um chance para acertar a moto. Foi exaustivo para a equipe e ainda assim, conseguimos fazer um bom trabalho. Agora a meta será manter o ritmo para as próximas etapas”, planejaCalura.

Ordem de chegada da categoria GPR 250:
1°) Igor Calura, 17mins02s850
2°) Gustavo Pavoni, a 10s140
3°) Pedro Sampaio, a 10s362
4°) Hebert Pereira, a 15s174
5°) Claudinei Silva, a 18s257
6°) Julio Castroviejo, a 18s265
7°) Leandro Lionese, a 21s285
8°) Meikon Kawakami, a 21s307
9°) Rubens Pacheco, a 21s375
10°) Eliton Kawakami, a 39s938
11°) Maycon Benassi, a 52s379
12°) Daniel Oliveira, a 52s509
13°) Wagner Nascimento, a 1min06s883
14°) Victor Hugo Yano, a 1min30s515
15°) Nicolas Benevides, a 1mins31s430
16°) Rafael Pinheiro, a 1min33s695
17°) Flavio Caetano, a 1min47s383
18°) Adilson Gomes, não completou
19°) Sabrina Paiuta, não completou
20°) Adriano Pavoni, não completou
Melhor volta: Igor Calura, na 2ª, 2mins06s469, média de 122,658 km/h

As corridas desta primeira etapa foram exibidas no Brasil pelo canal Bandsports. E nos Estados Unidos, Japão, Angola, Moçambique, Paraguai, Argentina, Uruguai e Venezuela por meio do canal internacional da Band. A transmissão pelo portal Terra enfrentou problemas técnicos e não se realizou.

Todas as motocicletas do Moto 1000 GP utilizam como combustível a gasolina Petrobras Podium e como lubrificante o Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da BMW Motorrad e da Michelin, que fornece os pneus Power Slick, da GP 1000, e Power Cup, da GP Light, da GP 600 e da GPR 250, a todas as equipes. O campeonato tem o apoio de Beta Ferramentas, Shoei, Bell, Servitec, Calfin, LeoVince e Tutto Moto.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.