O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Alto Taquari, emitiu parecer inédito na cidade, favorável a união estável a um casal homoafetivo. P.M. e A.S.C. anexaram ao pedido, as certidões de nascimento atualizadas e atestado de testemunhas, documentos exigidos conforme previsto no Código Civil, comprovando que não existe impedimento ao casamento.

Nos autos de habilitação de matrimônio, o promotor João Batista de Oliveira argumentou que a Constituição Federal estabelece como objetivo fundamental da República Federativa do Brasil promover o bem de todos sem preconceitos de sexo e quaisquer outras formas de discriminação (art. 3º, inciso IV), aqui certamente incluída a opção ou orientação sexual da pessoa.

Leia também:  PCH alerta ribeirinhos do Distrito de Fátima de São Lourenço sobre elevação do nível do rio

O promotor destacou, ainda, na manifestação, que a Carta Magna também prevê como direito e garantia fundamental a inviolabilidade da intimidade e da vida privada das pessoas, mostrando o interesse do Estado em proteger a promover os direitos de todos, sem discriminação de ordem sexual.

A Constituição Federal, no artigo 226, fixa o dever de o legislador infraconstitucional facilitar a conversão da união estável em casamento. Além de estar amparado na CF, as uniões homoafetivas foram reconhecidas, por unanimidade, pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), há quase dois anos.

O STF decidiu que não há diferença entre homossexuais e heterossexuais. Os ministros do STF consideraram que casais gays formam uma família e que possuem os mesmos direitos e deveres. Na prática, a decisão deu a estes casais uma segurança jurídica em relação a alguns direitos como pensão, herança, compartilhamento de planos de saúde.

Leia também:  Rota do Oeste prevê alta de 16% no fluxo de carros na BR-163 durante feriado do Dia do Trabalho

 

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.