Divulgação
Divulgação

Mito 1: A longo prazo, o consumo só faz mal – falso
Esse mito existe, em parte, porque os fumantes, que metabolizam a cafeína duas vezes mais rapidamente do que os não fumantes, bebem mais café. E eles têm mais problemas de saúde. Mas é a nicotina – e não a cafeína – a culpada.

Mito 2: Muda a química corporal – verdadeiro
A cafeína é um estimulante natural, e 250 mg da substância (mais ou menos 2 xícaras grandes) triplica a quantidade de adrenalina na corrente sanguínea, aumentando a frequência respiratória. No seu cérebro, a cafeína detém a adenosina, substância química que relaxa seus nervos e sinaliza a necessidade de dormir. Ela também aumenta os níveis de dopamina, estimulando centros de prazer. “Assim, a cafeína tem a habilidade mágica de fazer você se sentir alerta e relaxada”, diz Ernesto Illy, bioquímico italiano e fundador da marca Illy Caffe.

Leia também:  Um açaí (muito) mais rico em nutrientes

Mito 3: Me deixa mais esperta – verdadeiro
Uma xícara de café antes de preencher sua avaliação no trabalho não é uma má ideia. “A cafeína ativa o sistema nervoso central, a deixa mais acordada e facilita os processos de memória e atenção”, afirma Bruno Mioto, cardiologista do Incor, em São Paulo. “Um estudo brasileiro com crianças em idade escolar mostra que as que consumiam café com leite apresentavam um aproveitamento melhor.” Outro exemplo: quando uma equipe da Marinha americana, privada de sono, recebeu duas xícaras de café, apresentou melhora de 60% nos estados de alerta e vigília, no aprendizado e na memória.

Mito 4: Melhora meu treino – verdadeiro
Sem a cafeína você não apenas fica mais lenta mentalmente como também fisicamente. “Ela aumenta a quantidade de agentes ergogênicos, que otimizam o desempenho físico”, diz Mioto. “Estudamos o consumo de café em grupos diferentes: quem realiza o teste caminha na esteira por mais tempo.” Com ela, você pode se exercitar entre 10 e 15% a mais. “A cafeína pode ter efeito analgésico, que aumenta a resistência e reduz a fadiga muscular”, afirma a nutricionista Isabella Correia, da Clínica Patricia Davidson Haiat. “Antes de se exercitar, basta uma xícara.”

Leia também:  Um jeito inesperado de prevenir a endometriose

Cuidado: Um estudo publicado no “Journal of the American College of Cardiology” mostra que a cafeína pode diminuir o fluxo sanguíneo para o coração durante os exercícios. O contrário do que deveria ocorrer para que o órgão, assim como os músculos e o cérebro, receba oxigênio suficiente.

Mito 5: Causa pressão alta – falso
O periódico científico “Journal of the American Medical Association” relatou recentemente que a cafeína não causa risco de hipertensão. “Ela pode até aumentar um pouquinho a pressão arterial e a frequência de batimentos cardíacos, mas esse efeito parece desaparecer com o consumo crônico de café”, diz Mioto. “Evite apenas o consumo esporádico: quem não está acostumado a consumir e toma três ou quatro xícaras para ficar acordado para uma prova só vai ter efeitos indesejáveis.” Nesse caso, o café pode funcionar como um gatilho para arritmia e dor no peito.

Leia também:  Uma gordura que faz bem para o cérebro

“Mas não há nenhuma evidência até o momento de que a cafeína possa se relacionar com problemas cardíacos”, afirma Henrique Canosa, cardiologista do Hospital Samaritano de São Paulo.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.