Três dos quatro setores de atividade econômica analisados na Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) tiveram redução de vagas entre fevereiro e março. Os dados, divulgados nesta quarta-feira (24) pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), mostram que a redução foi maior na indústria da transformação, com 103 mil postos de trabalho a menos. Apenas o setor de serviços manteve-se estável, com acréscimo de 1 mil vagas, que foram desconsideradas estatisticamente.

O nível de ocupação no setor de comércio e reparação de veículos reduziu a oferta de vagas em 75 mil postos e o de construção civil em 44 mil. No total, das quatro áreas, foram reduzidas 215 mil vagas. Esses resultados setoriais fizeram com que, na média das seis regiões metropolitanas e do Distrito Federal, a taxa de desemprego se elevasse, passando de 10,4% em fevereiro para os atuais 11%, o que representa alta de 5,5%. Na comparação anual, o acréscimo é de 2,8%.

Leia também:  Brasil cria 67,3 mil vagas formais de trabalho no 1º semestre de 2017

Para Alexandre Loloian, coordenador de Análise da Pesquisa da Fundação Seade, as taxas são avaliadas como normais, tendo em vista a sazonalidade de março. “O primeiro trimestre sempre é um período que você tem redução do nível de ocupação e o desemprego só não aumenta mais porque também há redução da PEA [População Economicamente Ativa]”, explicou. Entre fevereiro e março, a PEA diminuiu 0,4%, passando de 22,163 milhões para 22,076 milhões de pessoas.

O economista avalia que o crescimento do desemprego é justificado diante da atual conjuntura econômica internacional. “Quando o mundo cresce em ritmos diferentes, gera preocupação, porque não indica um crescimento consistente de certos países. [Diante disso,] considerando todos os problemas que a gente tem enfrentado, [o resultado da PED] pode ser considerado positivo”, apontou.

Leia também:  Déficit previdenciário dos estados cresceu 10% em 2016

Na avaliação por região do país, a taxa de desemprego também cresceu em todas as áreas analisadas. A maior alta foi registrada em Salvador (de 18,6% para 19,7%), seguido por Belo Horizonte (de 6,2% para 7%), São Paulo (de 10,3% para 10,9%), Recife (de 12,9% para 13,5%), Porto Alegre (de 6,2% para 6,5%), Distrito Federal (de 12,8% para 13,3%) e Fortaleza (de 8,5% para 8,9%). Por outro lado, na comparação anual houve redução em São Paulo – onde a taxa em março de 2011 ficou em 11,1%, em Porto Alegre (7,6%) e em Fortaleza (9,6%).

O rendimento médio dos ocupados nas regiões pesquisadas apresentou queda de 0,3%, passando a R$ 1.578. A maior redução ocorreu em Fortaleza, com variação de -3,2%. Na capital cearense, o rendimento passou para R$ 1.014. São Paulo (-0,8%) e Salvador (-0,7%) também registraram decréscimo e passaram a ter ganhos médios de R$ 1.701 e R$ 1.095, respectivamente. Houve elevação em Recife (2,3% de acréscimo, com rendimento médio de R$ 1.143), Porto Alegre (1,4%, com rendimento de R$ 1.628), Distrito Federal (0,4%, com rendimento de R$ 2.315) e Belo Horizonte (0,4%, com rendimento R$ 1.643).

Leia também:  Taxa de juros do rotativo do cartão de crédito cai para 422,5% ao ano

Assim como o Dieese e a Fundação Seade, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga levantamento mensal sobre o desemprego no país. No entanto, as taxas apresentadas nas duas pesquisas costumam ser diferentes devido aos conceitos e metodologias usados.

Entre as diferenças está o conjunto de regiões pesquisadas. A PED, feita pelo Dieese e pela Fundação Seade, não engloba o número de desempregados da região metropolitana do Rio de Janeiro. Na Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE, não está incluída as regiões de Fortaleza e do Distrito Federal.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.