A Copa Suzuki Jimny atinge, em sua estreia na temporada 2013, 50 barcos. O número recorde para uma abertura de campeonato comprova o crescimento da vela oceânica em São Paulo. O circuito de quatro etapas chega a sua 13a. edição e é referência na modalidade reunindo velejadores de ponta e amadores no Yacht Club de Ilhabela (YCI). As principais classes como ORC, HPE, C30 e as quatro variações de RGS ajudam na evolução do esporte e colocam o evento como obrigatório no cenário brasileiro.

“Realizar um campeonato com 50 barcos exige muito da organização, mas estamos preparados, já que nosso staff é composto por profissionais especializados com experiência internacional. Por outro lado, o Yacht Club de Ilhabela oferece todas as condições para um evento deste porte. E, na água, as equipes cada vez mais investem em equipamentos, treinos e atletas para deixar as regatas emocionantes”, comemorou Carlos Eduardo Souza e Silva, diretor de vela do YCI.

As regatas voltaram a ser disputadas neste sábado(20) no Canal de São Sebastião com ventos de 12 nós de média e temperatura na casa dos 25 graus. Desta vez o tempo ajudou e a organização conseguiu fazer três provas para as classes HPE e C30, e duas para as demais categorias.

“Por ser um evento bem organizado e forte tecnicamente, outros velejadores, inclusive de fora de São Paulo, prestigiam a competição para ficar em atividade. A Copa Suzuki Jimny é referência nesse sentido e a tendência é aumentar o número de barcos”, contou Cuca Sodré, organizador da Copa Suzuki Jimny e árbitro internacional de vela. “A presença de velejadores profissionais, que fazem parte da equipe olímpica nacional, disputam o campeonato e aumentam o nível”.

Leia também:  Brasileira leva ouro em natação e se torna a 1° campeã mundial do país

Entre os profissionais, nomes como os velejadores olímpicos Samuel Albrecht e Fábio Pillar, que vieram do Rio Grande do Sul para correr a Copa Suzuki Jimny. A interação entre com os atletas ajuda também no crescimento da modalidade. “O campeonato é de alto nível, um dos melhores do Brasil. A nossa presença torna o ‘jogo’ mais competitivo. É uma troca de experiência no final das contas. A gente ensina, se diverte e aprende”, relatou Fábio Pillar, que é integrante do Barracuda na C30.

Uma das novidades para as regatas finais da primeira etapa foi a entrada do Tangaroa, na categoria ORC. O barco de Porto Alegre (RS) chamou o experiente Samuel Albrecht, parceiro de Fábio Pillar na classe 470, dupla que faz campanha para os Jogos de 2016. “A Copa Suzuki Jimny é bem movimentada e forte. Correr um campeonato desse nível mantém o velejador em atividade e ajuda na performance”, explicou Samuel Albrecht. “Está tão frio no sul que migramos para São Paulo para disputar regatas. Somos iguais aos patos que vão para o norte no inverno”, brincou.

As regatas do sábado – No fim de semana passado,o tempo ruim e a falta de ventos deram as caras. Mas a situação melhorou e muito, neste sábado. A Comissão de Regatas conseguiu fazer três provas para as classes one-design e duas para as demais categorias.

Na HPE, o Repeteco (Fernando Haaland) assumiu a liderança com um bom desempenho no dia e a entrada do descarte do pior resultado. “Estamos em primeiro porque não erramos manobras. O treinamento faz a diferença. Além disso, eu acredito que a largada representa 70% da vitória em uma regata de HPE”, disse Fernando Haaland. Em seguida aparecem Ginga (Breno Chvaicer) e Fit to Fly (Eduardo Mangabeira), três e quatro pontos, respectivamente, atrás do Repeteco.

Leia também:  Em competição em Cuiabá, estudantes de Rondonópolis se classificam para Jogos Brasileiros

Na C30, mais uma vez o TNT Loyal (Marcelo Massa) se deu bem vencendo as três regatas. Porém, o Barracuda chegou mais próximo nas provas e quase tirou os 100% dos favoritos. “Diminuímos a vantagem deles na água. Chegamos a ficar perto da vitória. Em uma das provas, o TNT Loyal estava bem atrás, mas na última boia, eles deram um jibe e foram empurrados por uma melhor rajada”, disse Fábio Pillar, tático do Barracuda.

Na ORC, equilíbrio na disputa com a chegada do Tangaroa (Germano Pestana), que venceu as duas regatas do dia. Mas, como os gaúchos não correram na semana passada, o Lexus/Chroma segue na ponta seguido por Orson/Mapre (Carlos Eduardo Souza e Silva).

Na RGS-A, o Jazz (Valéria Ravanni) segue em primeiro na classificação geral, mas BL3 Wind Náutica (Clauberto Andrade) e Maria Preta (José Barretti) venceram as regatas do dia e diminuíram a diferença para o líder. Na RGS-B, o Asbar II (Sérgio Klepacz) venceu as duas provas e pulou para a liderança no geral dele. O Suduca (Marcelo Claro) ficou em segundo lugar nas duas e perdeu a ponta. NA RGS-C, o Ariel (Andreas Kugler) segue em primeiro, assim como o BocCalupo (Claudio Melaragno) na RGS-Cruiser.

Neste domingo (21), os barcos voltam à raia em Ilhabela às 12h para um dia de regatas, que decidirão a primeira etapa da competição.

Resultados parciais

ORC – 4 regatas e 1 descarte
1º – Lexus/Chroma (Luiz Gustavo de Crescenzo) – 5 pontos perdidos (2+1+2+2)
2º – Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) – 9 pp (1+2+3+3)
3º – Tangaroa (Germano Pestana) – 9 pp (7+7+1+1)

Leia também:  Aberta as inscrições do Bolsa Atleta pelo Ministério do Esporte

C30 – 5 regatas e 1 descarte
1º – TNT/Loyal (Marcelo Massa) – 4 pp (1+1+1+1+1)
2º – Barracuda (Humberto Diniz) – 8 pp (2+4+2+2+2)
3º – +Realizado (José Luiz Apud) – 11 p (3+2+3+3+3)

HPE – 5 regatas e 1 descarte
1º – Repeteco (Fernando Haaland) – 11 pp (8+1+7+2+1)
2º – Ginga (Breno Chvaicer) – 14 pp (3+5+9+3+3)
3º – Fit to Fly (Eduardo Mangabeira) – 15 pp (9+2+2+16+2)

RGS-A – 4 regatas
1º – Jazz (Valéria Ravani) – 7 pp (1+1+2+3)
2º – Maria Preta (José Barretti) – 13 pp (3+6+3+1)
3º – Inaê/Transbrasa (Bayard Umbuzeiro Filho) – 13 pp (2+5+4+2)

RGS-B – 4 regatas
1º – Asbar II (Sergio Klepacz) – 6 pp (2+2+1+1)
2º – Suduca (Marcelo Claro) – 6 pp (1+1+2+2)
3º – Hélios – Sírio Libanês – 14 pp (3+3+4+4)

RGS-C – 4 regatas
1º – Ariel (Andreas Kubler) – 6 pp (1+1+2+2)
2º – Rainha (Leonardo Pacheco) – 7 pp (3+2+1+1)

RGS-Cruiser – 4 regatas
1º – Boccalupo (Claudio Melaragno) – 6 pp (1+1+3+1)
2º – Brazuca (José Rubens Bueno) – 10 pp (2+4+1+4)
3º – Cocoon (Luiz Caggiano) – 15 pp (6+5+2+2)

A Copa Suzuki Jimny/XIII Circuito Ilhabela de Vela Oceânica é organizada pelo Yacht Club de Ilhabela, com patrocínio master da Suzuki Veículos e co-patrocínio da SER Glass. Os apoiadores são: Prefeitura Municipal de Ilhabela, Brancante Seguros, Rádio Antena 1 Litoral Norte e Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.