O Ministério Público Federal está acionando judicialmente 27 frigoríficos que não assinaram o termo de ajustamento de conduta para a regularização da cadeia produtiva da carne. O acordo previa que os frigoríficos se comprometeriam a deixar de abater e comercializar animais oriundos de áreas embargadas pelo Ibama por desmatamento ilegal, fazendas localizadas dentro de terras indígenas ou que constam da lista suja do trabalho escravo. O prazo para a assinatura do acordo com o Ministério Público Federal em Mato Grosso, Amazonas e Rondônia encerrou no dia cinco de abril.

O cruzamento de dados das guias de transporte de animais, que trazem a informação do local de origem do animal e o destino para o abate, identificou que esses frigoríficos compraram animais de fazendas em situação irregular de desmatamento, sem licenciamento ambiental, constantes da lista suja do trabalho escravo e localizadas dentro de terra indígena.

Leia também:  Denúncias à ouvidoria da Ager podem ser feitas via WhatsApp

As ações propostas pelo MPF em Mato Grosso, Amazonas e Rondônia fazem parte de uma ampla atuação pela regularização da cadeia produtiva da carne nos Estados da Amazônia brasileira.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.