. Em entrevista ao Lance! desta quarta-feira, Hortência, que era diretora de seleções femininas no primeiro mandato de Carlos Nunes e foi colocada como Diretora de Relações Institucionais a partir da segunda eleição de Nunes, afirmou que deixará a entidade máxima nos próximos dias.

– Não vou continuar na CBB. Em nenhum momento aceitei este cargo que me colocaram (diretora de relações institucionais). Não sei fazer isso. Fui contratada como diretora de seleções. Não sigo. Não há diferença entre me demitirem e eu pedir demissão – afirmou ao jornal, antes de complementar algo que já falo aqui há algum tempo: – Tínhamos um projeto de viagens e treinos preparatórios bem elaborados (para a seleção Sub-17 que foi ao Mundial ano passado com pouco treino), semelhante ao da Seleção Sub-19 que ganhou bronze no Chile (em 2011). O Ministério do Esporte havia aprovado e nos disponibilizaria a verba. Mas não foi liberado porque a CBB falhou na prestação de contas da Sub-19. Sem dinheiro, complica.

Leia também:  Internacional pode ser excluído da Série B após denúncias de documentos falsificados

Acho que vocês sabem o que penso sobre o assunto, não? Hortência fez um trabalho bem ruim na Confederação Brasileira, com uma série de declarações de péssimo gosto, trocando técnicos a todo momento na seleção adulta e com apenas um resultado bom em termos mundiais (o terceiro lugar no Sub19 com Damris sendo a MVP). Não acrescentou muito como fez quando era jogadora, mas a forma como ela foi tratada neste começo de segundo mandato não foi legal, não.

Então ficamos assim: Vanderlei será o diretor das duas seleções, Hortência está fora da Confederação e o cargo de Diretor de Relações Institucionais está, pelo menos no momento, vago. O que acham?

Leia também:  Cuiabá sediará torneio de luta em pé
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.