Aconteceram polêmicas e provocações, mas nada disso abalou Jon Jones, que acumulou mais um massacre na madrugada deste domingo. Diante do falastrão Chael Sonnen, o campeão dos meio-pesados do Ultimate Fighting Championship (UFC) venceu por nocaute técnico no primeiro round e conseguiu sua sexta defesa de título – dessa forma, igualou o recorde de Tito Ortiz na categoria. O único problema para Jones foi uma lesão no pé, que ele sofreu durante o duelo, mas só percebeu enquanto comemorava a vitória.

Sonnen resolveu chamar atenção desde a sua entrada no octógono, já que usou um roupão azul típico de boxeador. Jones entrou para o combate na sequência, cheio de confiança e fazendo todo ritual que lhe é característico. Quando chegou a hora e eles começaram a se enfrentar, os dois corresponderam às expectativas e mostraram muita agressividade e pressa para definir o combate.

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

O principal mérito de Jones foi a facilidade para derrubar Sonnen, que costuma se defender bem dessas tentativas. Por cima, o campeão acertou suas fortes cotoveladas e feriu o adversário diversas vezes. Sonnen parecia aguentar bem os golpes, mas quando faltavam 30 segundos para o final do round, Jones encaixou seguidos socos e foi decretado o nocaute técnico.

Ainda na octógono, após perceber a lesão no pé, Jones comentou que um buraco no octógono deve ter causado o problema. Sentado em um banco para não agravar a lesão, ele festejou: “ele (Sonnen) queria ser mais wrestler que eu, mas fui mais wrestler que ele. Fui mais Chael Sonnen que o Chael Sonnen”, comemorou, exaltando exatamente sua facilidade para conseguir quedas durante a luta.

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

Já Sonnen mostrou uma surpreendente humildade e sequer reclamou da interrupção da luta – se o combate tivesse durado mais de um round, provavelmente ele seria declarado o vencedor, já que Jones não poderia lutar com a lesão no pé. “Não tenho nenhum problema com a decisão de parar luta, porque ele (Jones) é muito poderoso e, quando vai para matar, não tem como ser parado”, declarou ele, que assumiu ter perdido sua última chance de ser campeão do UFC.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.