Centenas de pessoas estiveram concentradas hoje (23) pela manhã, na Praça Brasil, centro de Rondonópolis, para reivindicar melhorias em prol a educação estadual e municipal da rede pública de ensino. Dentre os manifestantes, estavam professores, alunos e pessoas interessadas no assunto.

João Eudes, diretor da Secretaria de Formação do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), disse que existe três polos importantes.

“Hoje nossa luta é para o ‘Piso, Carreira e Jornada’, precisamos de melhorias principalmente nestes três aspectos em prol do profissional. Em nossas reivindicações também buscamos melhorias para a parte física da escola bem como materiais”, explicou.

A classe cobra para que seja repassada a educação para que haja melhorias em infraestrutura e reivindica que seja investido na educação os 10% do Produto Interno Bruto (PIB) além de 100% dos royalties do petróleo e 50% do fundo social do pré-sal no setor.

Leia também:  Feira do Empreendedor dá espaço para campanha

A presidente do Sintep/MT, Maria Celma informou que hoje o piso é de R$ 1.452,37, mas a classe busca um reajuste para R$ 1.937 e melhorias na estrutura física das escolas.

“O governo investe dinheiro sem dó em propagandas, para dizer que a educação está a mil maravilhas, e tem má vontade de investir no que realmente é necessário”, pontuou Maria.

Dados do Sintep/MT, cerca de 3 mil profissionais da educação estão mobilizados nesta semana de paralisação.

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis (Sispmur) também esteve presente na manifestação.

AGENDA
João Eudes adiantou que ainda não tiveram nenhum respaldo do Governo, e que na quarta-feira (24), os profissionais lançará a campanha ‘Educação Pública eu Apoio’, na Câmara Municipal de Rondonópolis.

Leia também:  Jardim Atlântico recebe mais uma geladoteca

Na quinta-feira (25), estarão reunidos em um ato público na capital do Estado e na sexta-feira (26), participarão de uma assembleia geral, onde ocorrerão às negociações, e ao término, definirão se prossegue ou não com a greve.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.