O evento, fechado para o público, será o primeiro teste do estádio para a Copa das Confederações, que começa em 15 de junho. Além de convidados de honra, funcionários e seus familiares acompanharão a partida.

 

Estima-se que cerca de 25 mil pessoas deverão estar presentes na reinauguração. Após o jogo de reabertura deste sábado, estão previstas mais duas partidas antes da Copa das Confederações. A primeira, ainda indefinida, deve ocorrer no dia 15 de maio (com 50% da capacidade total) e ainda não foi decidido se haverá venda de ingressos.

 

O teste final acontecerá no dia 2 de junho, com o amistoso da Seleção Brasileira contra a Inglaterra, quando o Maracanã receberá, pela primeira vez, sua capacidade máxima, de 78.639 pessoas.

 

Para entender as polêmicas que envolveram a reforma do estádio, que durou cerca de dois anos e meio, a BBC Brasil preparou uma lista de perguntas e respostas.

 

Em que consistiram as obras?
O Maracanã passou por uma reforma completa. As cadeiras antigas foram retiradas e substituídas por novas, retráteis e numeradas. Os camarotes também mudaram de lugar e foram instalados no segundo e terceiro pavimentos do estádio. Ao todo, serão 110 camarotes com acessos exclusivos.

Leia também:  Com vitória de Grêmio, Renato Gaúcho se torna o 1° brasileiro a vencer as Libertadores como jogador e técnico

 

Já a arquibancada ganhou maior inclinação e teve os setores inferior e superior unificados. Nas laterais, os torcedores ficarão a 12 metros da linha lateral do campo, o que, segundo o consórcio responsável pelas obras, garantirá maior visibilidade.

 

Além disso, a cobertura antiga foi inteiramente removida e substituída por uma nova estrutura com membrana tensionada, com 60,4 metros de comprimento.

 

Quando a reforma começou?
A reforma do Maracanã começou em agosto de 2010. A previsão era de que o estádio seria entregue em dezembro do ano passado, a seis meses do início da Copa das Confederações, que ocorrerá em junho deste ano.

 

No entanto, a data de entrega acabou adiada para final de fevereiro, depois para 15 de abril e finalmente 24 de maio, quando será entregue oficialmente.

 

Segundo a assessoria de imprensa da Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (Emop), “é natural que o prazo tenha sido modificado porque se trata de um estádio construído na década de 40, além de outras intempéries, como a greve que paralisou as obras”.

Leia também:  Seleção brasileira fica no Grupo E estreando o primeiro jogo contra Suíça

 

“O importante é que o Maracanã será entregue para a Copa das Confederações, como acordado com a Fifa”, ressaltou a assessoria.

 

O novo Maracanã também teve sua capacidade total reduzida de 82.238 para 78.639 lugares. Seguindo as recomendações da FIFA, todas as cadeiras são retráteis e numeradas.

 

Todas as obras do estádio foram terminadas?
Não. Cerca de 97% delas estão concluídas. Ainda faltam retoques na área externa do estádio, como catracas, bilheterias, iluminação e outros investimento no entorno. No jogo deste sábado, por exemplo, apenas duas das quatro entradas serão usadas pelos convidados.

 

Em entrevista coletiva, o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto, a reurbanização do entorno do estádio só estará concluída no dia 27 de maio, quando o estádio deverá ser entregue oficialmente à Fifa.

Leia também:  Seleção masculina de futsal brasileira disputará amistosos em Mato Grosso

 

Já a passarela para a Quinta da Boa Vista, parque próximo ao Maracanã, só será construída para a Copa do Mundo. A obra está prevista no projeto original.

 

Quanto custou a obra?
A previsão oficial do custo da obra era de R$ 705,6 milhões. Em maio de 2011, o consórcio responsável pelas obras alegou que, por causa de problemas com a cobertura, o valor da reforma subiria para R$ 956,8 milhões.

 

No entanto, após o Tribunal de Contas da União (TCU) apontar um sobrepreço no projeto, a reforma foi reavaliada em R$ 859,5 milhões.

 

Por que foi tão cara?
O consórcio responsável pelas obras alega que problemas na cobertura elevaram o custo total das obras. Segundo o Governo Estadual e a Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (Emop), a antiga estrutura estava comprometida, por corrosão acentuada e progressiva das armaduras das vigas e lajes das marquises.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.