PRF carajas
Dinheiro apreendido pela PRF dentro do carro em que Alvimar estava – Foto: Diário de Araxá

Alvimar de Araújo Costa, 49 anos, foi preso em Araxá – MG, pela Polícia Rodoviária Federal, com mais de R$ 1,1 milhão em notas de real e euros, além de três cheques no valor de R$ 58 mil, cada, em nome da Assembleia Legislativa (AL) do Mato Grosso.

Segundo a PRF Alvimar foi abordado em um veículo Jeep Cherokee, com placas de Cuiabá, acompanhado de três pessoas. O dinheiro foi localizado dentro do porta-malas, cerca de R$ 790 mil e notas de cinquenta e cem, 50 mil em notas de euros e os cheques.

Em depoimento a PRF, Avilmar disse que o dinheiro seria para comprar um apartamento em Betim (MG), mas os policiais desconfiaram da história e decidiram realizar uma busca detalhada no interior do veículo, quando foram encontrados os cheques.

Interrogado sobre os cheques Alvimar declarou que havia os achado no chão. Ele não deu mais detalhes sobre o ocorrido. Diante dos fatos Alvimar foi detido e encaminhado para a Polícia Federal, em Uberaba. A Polícia informou que vai investigar a procedência do dinheiro, já que os valores podem ter a origem de esquemas de corrupção.

Leia também:  Advogado é preso acusado de se masturbar para mulheres nas ruas de Tangará da Serra

Na noite desta terça-feira (9), Alvimar será ouvido pelo delegado federal Marcos Zampieri. Segundo informações do jornalista Felipe Santos do Jornal da Manhã, em Araxá, o delegado também irá pegar os celulares e computador de Alvimar para fazer um levantamento.

Alvimar coberto por um pano -  Foto: Diário de Araxá
Alvimar coberto por um pano após prisão – Foto: Diário de Araxá

NEGÓCIOS EM MATO GROSSO

Segundo informações do site Estado dos Carajás, Avilmar de Araújo Costa é amigo e vizinho de fazenda do deputado e presidente da AL, José Riva , em Juara – MT. A relação entre ambos é conhecida de praticamente toda a população do pequeno munícipio de Mato Grosso. Avilmar seria o homem responsável pelo arrendamento para o Grupo Carrefour dos pastos da fazenda que Riva e sua mulher Janete Riva.

Durante uma investigação que estava sendo feita pela Polícia Federal e que envolvia seu nome, o pecuarista Avilmar Araújo resolveu se mudar para Minas Gerais.

Leia também:  Motorista é preso com documentação falsa e carro furtado

Ainda segundo o site Estado dos Carajás, em Juara, todos o conhecem Alvimar, como um homem muito rico, que uma vez por outra aparece propondo negócios. Seu enriquecimento, segundo pessoas que conviveram com ele no Nortão de Mato Grosso, foi vertiginoso. O cadastro do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (INDEA) confirma que Avilmar tem pelo menos nove propriedades rurais somente em Mato Grosso, todas elas situadas em Juara. Em apenas uma de suas fazendas, teria pelo menos 20 mil cabeças de gado.

O nome dele aparece nas investigações deflagradas a partir da Operação Arca de Noé, que revelou os negócios irregulares entre a Assembléia Legislativa de Mato Grosso e uma factoring do Comendador Arcanjo, o maior bicheiro do Centro-Oeste brasileiro. Em sua conta corrente foi localizado um cheque emitido pela AL em favor de uma das empresas fantasmas do esquema, a Baronia Publicidade e Marketing Ltda. Na época, Alvimar alegou que pegou um empréstimo na factoring de Arcanjo e que ela depositou, sem seu conhecimento, o cheque da AL/MT em sua conta corrente.

Leia também:  Após roubo em comércio, homem ameaça repetir ato se proprietária chamasse a polícia

NOTA DA ASSESSORIA AL

A assessoria de comunicação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso encaminhou uma nota à imprensa sobre o caso.

“Sobre a notícia da prisão de um cidadão que portava cheques da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, em uma rodovia federal no estado de Minas Gerais, informamos que;

1) O Poder Legislativo de Mato Grosso há mais de 10 anos não emite cheque para nenhum tipo de pagamento;

2) Qualquer pagamento realizado pela Assembleia Legislativa, independentemente da despesa – seja de serviços, folha de pagamento, despesas, e outros – é feito em sistema online e disponibilizado no portal transparência;

3) A Assembleia Legislativa vai aguardar o resultado das investigações  para poder prestar maiores informações acerca dos cheques encontrados.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.