Durante audiência pública realizada na Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado, nesta terça-feira (09), o secretário de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar, Meraldo Sá, e a presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), Maria Auxiliadora Diniz, apresentaram a ação adotada pelo Governo do Estado na inspeção da carne abatida.

O debate sobre o tema, se deu em decorrência de um convite feito pelo presidente da Comissão de Meio Ambiente, o senador Blairo Maggi, que ao assistir uma reportagem sobre a falta de higiene e crueldade no abate do gado em abatedouros municipais instalados em SP, GO, MS e RS, requereu que secretários de agricultura de cinco estados, mais o Distrito Federal, fossem até o Senado discutir sobre o assunto.

Leia também:  Trabalhadores da assistência social aprovam Programa Pró-Família

Frente aos senadores, Meraldo Sá destacou que o Governo de Mato Grosso vem cumprindo com seu papel, que é o de fiscalizar estabelecimentos responsáveis por vender carne dentro e fora de Mato Grosso. “O maior problema na irregularidade do abate e conservação da carne bovina no País está a cargo das prefeituras, que legalmente são os responsáveis por inspecionar os produtos de origem animal comercializados apenas no território municipal. Muitos prefeitos têm dificuldades financeiras e estruturais em ter uma vigilância sanitária”, explica Meraldo Sá, ao acrescentar que o órgão responsável por fiscalizar os abatedouros que comercializam a outros países é o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso declarou que o Governo do Estado não tem autonomia para inspecionar a carne que é abatida e consumida apenas dentro de um município. “Se o produto é comercializado de um município para o outro, ou daqui para outro Estado, nós legalmente realizamos a inspeção. Agora se é comercializado somente no município, isso fica a cargo da prefeitura”, comenta Maria Auxiliadora.

Leia também:  TCE afirma que detentos com tornozeleira ficaram 1 ano sem monitoramento em MT

Auxiliadora informou que atualmente duas empresas ligadas ao comércio de cárneos estão com as atividades suspensas por não seguirem as normas técnica exigidas pelo órgão estadual. E dos 141 municípios de Mato Grosso, apenas 28 possuem Serviço de Inspeção Municipal (Sim).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.