Durante audiência pública realizada na Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado, nesta terça-feira (09), o secretário de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar, Meraldo Sá, e a presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), Maria Auxiliadora Diniz, apresentaram a ação adotada pelo Governo do Estado na inspeção da carne abatida.

O debate sobre o tema, se deu em decorrência de um convite feito pelo presidente da Comissão de Meio Ambiente, o senador Blairo Maggi, que ao assistir uma reportagem sobre a falta de higiene e crueldade no abate do gado em abatedouros municipais instalados em SP, GO, MS e RS, requereu que secretários de agricultura de cinco estados, mais o Distrito Federal, fossem até o Senado discutir sobre o assunto.

Leia também:  Professora morre com suspeita de H1N1 em Primavera do Leste

Frente aos senadores, Meraldo Sá destacou que o Governo de Mato Grosso vem cumprindo com seu papel, que é o de fiscalizar estabelecimentos responsáveis por vender carne dentro e fora de Mato Grosso. “O maior problema na irregularidade do abate e conservação da carne bovina no País está a cargo das prefeituras, que legalmente são os responsáveis por inspecionar os produtos de origem animal comercializados apenas no território municipal. Muitos prefeitos têm dificuldades financeiras e estruturais em ter uma vigilância sanitária”, explica Meraldo Sá, ao acrescentar que o órgão responsável por fiscalizar os abatedouros que comercializam a outros países é o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso declarou que o Governo do Estado não tem autonomia para inspecionar a carne que é abatida e consumida apenas dentro de um município. “Se o produto é comercializado de um município para o outro, ou daqui para outro Estado, nós legalmente realizamos a inspeção. Agora se é comercializado somente no município, isso fica a cargo da prefeitura”, comenta Maria Auxiliadora.

Leia também:  Madeiras apreendidas vão render aproximadamente R$ 1,7 mi aos cofres públicos

Auxiliadora informou que atualmente duas empresas ligadas ao comércio de cárneos estão com as atividades suspensas por não seguirem as normas técnica exigidas pelo órgão estadual. E dos 141 municípios de Mato Grosso, apenas 28 possuem Serviço de Inspeção Municipal (Sim).

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.