A seleção brasileira se atrasou cerca de uma hora, mas chegou a Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, com um grande clima de festa criado pelos brasileiros que vivem na cidade e um forte esquema de segurança. Depois de “driblar” cerca de 300 torcedores no aeroporto, a equipe de Luiz Felipe Scolari foi saudada por mais 200 fãs na entrada de seu hotel, com Ronaldinho Gaúcho como principal alvo de assédio.

O contato com o público, no entanto, foi mínimo. Ronaldinho foi quem mais se destacou, acenando para a torcida de sua janela do ônibus. Em virtude do horário (a seleção chegou ao hotel quando eram 21h45 no horário boliviano) e da presença da multidão, nenhum jogador concedeu entrevista.

Leia também:  Cuiabá vence Luverdense e se classifica para semifinal no sub-17

A chegada da seleção teve um forte esquema de segurança desde o aeroporto, onde policiais coordenavam os trabalhos de recepção ostensivamente. O ônibus com os jogadores e a comissão técnica fez o breve percurso até o hotel sob forte escolta armada entrou por uma porta lateral.

De todos os convocados por Felipão, só Osvaldo e Jadson não fizeram parte da delegação. Como participaram da derrota do São Paulo para o The Strongest em La Paz, na noite da última quinta, eles vieram direto para Santa Cruz de la Sierra e chegaram mais cedo que os companheiros.

Neste sábado, o Brasil vai direto para o jogo no estádio Ramon Aguilera, onde às 16h30 (horário de Brasília), enfrentam a seleção da Bolívia. O amistoso, uma iniciativa da CBF, é uma homenagem à memória do jovem Kevin Espada, de 14 anos, morto ao ser atingido por um sinalizador de navio atirado por torcedores corintianos durante o jogo com o San Jose, pela Libertadores.

Leia também:  Campeonato de futebol society acontece em zona rural de Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.