O Senado, a Câmara Alta do Parlamento francês, aprovou nesta sexta-feira (12) o projeto de lei sobre o casamento homossexual, que voltará agora à Assembleia Nacional (Câmara Baixa) para ser submetido a uma segunda leitura.

Os senadores aprovaram o texto após uma semana de tensos debates. A Assembleia Nacional o aprovou por ampla maioria em primeira leitura no dia 12 de fevereiro.

O primeiro artigo do texto, o mais importante, que autoriza o casamento e a adoção para os casais homossexuais, foi adotado ‘em conformidade’, ou seja, nos mesmos termos em que foi aprovado em primeira leitura na Assembleia, razão pela qual deve ser, salvo alguma surpresa, definitivamente adotado.

No Senado votaram em sua imensa maioria pelo texto as bancadas de esquerda (socialistas, comunistas, ecologistas, radicais de esquerda). A direita (UMP) e os centristas (UDI-UC) se opuseram ao texto, com algumas exceções.

Leia também:  Países apostam em faixa de pedestre em 3D para diminuir atropelamentos

“Há em cada um de nós uma emoção profunda” e com esta decisão “reconhecemos simplesmente a plena cidadania dos casais homossexuais”, declarou a ministra da Justiça, Christiane Taubira, ao fim da votação.

“Ficamos orgulhosos com esta votação que faz a sociedade avançar”, disse o chefe da bancada socialista, François Rebsamen.

Já o senador e ex-primeiro-ministro de direita Jean-Pierre Raffarin considerou que este texto acrescenta “uma ruptura de sociedade a uma crise econômica”. “Não acreditem que a votação da lei apagará esta ruptura”, acrescentou.

Os opositores ao casamento homossexual na França já convocaram uma nova manifestação contra a lei para o dia 26 de maio.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.