A relação de Anderson Silva com a imprensa já teve momentos nebulosos desde que supercampeão dos médios chegou ao UFC, em 2006. Avesso, lacônico e irônico em muitas oportunidades, o Spider havia melhorado o trato com os repórteres há alguns anos, depois que começou a ser agenciado pela 9ine (agência do ex-jogador Ronaldo Fenômeno) e alcançou o status de grande astro das lutas no Brasil.

Mas a calmaria foi quebrada terça-feira (7). Ao melhor estilo Nick Diaz (polêmico lutador conhecido por ‘furar’ em ocasiões do tipo), Anderson se recusou a participar de evento promocional com jornalistas, em Los Angeles, para a edição 162, dia 6 de julho, quando defenderá o cinturão da categoria contra o norte-americano Chris Weidman.
A ausência do brasileiro, obviamente, causou a ira do presidente Dana White. Este ressaltou que a desobediência do campeão ocasionará multará em 50 mil doláres.
“Tínhamos um media day todo preparado para ele em Los Angeles, e ele acabou de decidir que não quer fazer isso. Anderson não gosta de falar com a imprensa, todos sabem. Mas isso é parte das obrigações contratuais. Todo mundo quer mais e mais dinheiro, mas poucos se esforçam para divulgar a luta ou dar entrevistas. Falar com os jornalistas é parte do trabalho, quer você goste ou não”, disse o chefão em entrevista ao jornal USA Today.
Em 2011, as duas faltas sucessivas de Nick Diaz em eventos promocionais o tiraram da disputa de cinturão meio-médio, agendada contra o campeão Georges St.Pierre. Carlos Condit foi o substituto.

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.