Investigadores americanos encontraram DNA feminino em pelo menos uma das bombas usadas nos ataques da Maratona de Boston, informou o jornal americano “The Wall Street Journal” nesta segunda-feira (29), citando fontes da investigação dos ataques que deixaram três mortos e mais de 200 feridos no dia 15 deste mês.

Segundo a reportagem, as fontes alertaram que podem haver várias explicações para que o DNA de outra pessoa que não os dois suspeitos do atentado -Tamerlan Tsarnaev e seu irmão mais novo, Dzhokhar- tenha sido encontrado nos dispositivos que explodiram. O material genético poderia ter vindo, por exemplo, de uma funcionária da loja que manejou os materiais utilizados nas bombas ou um fio de cabelo que acabou na bomba. Segundo a agência de notícias Reuters, o FBI não quis comentar o assunto.

Leia também:  Manifestações acontecem em vários lugares após Trump reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Ainda de acordo com a Reuters, investigadores retiraram sacolas com evidências, incluindo algumas amostras de DNA, da casa, em Rhode Island, onde a viúva do ataque (mulher de Tamerlan Tsarnaev, morto em confronto com a polícia) tem vivido, de acordo com uma pessoa próxima à investigação.

Os agentes do FBI passaram horas na casa dos pais de Katherine Russell em North Kingstown, Rhode Island, e saíram levando amostras de DNA de mercado, segundo a Reuters.

OS ATAQUES
A polícia disse que os irmãos Tsarnaev colocaram duas bombas na linha de chegada da maratona em 15 de abril. As explosões deixaram três mortos e 264 feridos.

Três dias depois, a polícia se envolveu numa perseguição selvagem na região metropolitana de Boston com os Tsarnaev, jogando granadas e trocando tiros à medida que o cerco se fechava. Tamerlan foi morto, enquanto Dzhokhar foi capturado vivo e está preso.

Leia também:  Cerca de 140 membros de facção criminosa são presos em festa de casamento na China

Russell, de 24 anos, disse na semana passada por meio de seus advogados que estava fazendo todo o possível para colaborar com a investigação.

Russell e Tamerlan, de 26 anos, viviam junto à sua filha em Cambridge, Massachusetts. A polícia disse ter encontrado material para fazer bombas naquele apartamento.

Os advogados de Russell disseram que ela não sabia muito sobre as atividades de seu marido porque passava a maior parte de seu tempo trabalhando, enquanto ele cuidava de sua filha.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.