André Muzell / AgNews
André Muzell / AgNews

O músico Lobão está sendo “ameaçado de morte”, o motivo, segundo ele é seu mais recente livro “Manifesto do Nada na Terra do Nunca” no qual tece críticas ao comunismo, a presidente Dilma Roussef e a nomes importantes do meio cultural brasileiro como Gilberto Gil e Chico Buarque.

Durante sessão de autógrafos na noite desta segunda-feira (6) na livraria da Travessa, no Rio, o cantor e escritor se autointitulou um “Chico Xavier proto-punk do inconsciente coletivo”. “Não sou dono de uma verdade absoluta, mas sou a favor da liberdade de expressão. Espero que esse livro estimule as pessoas”, disse o artista. Lobão garantiu que “não está falando nada demais” e que “as pessoas são muito sensíveis”.

“Adoraria reunir o Gil, o Chico e a Paula em uma mesa redonda. Sou a favor do diálogo e estou aberto ao que eles têm para falar”, comentou o artista que no livro acusa Paula Lavigne de ser a “rainha da Lei Rouanet”, referindo-se a grande quantidade de verba captada pela produtora da ex de Caetano.

Leia também:  Fã de Justin Bieber é presa por invasão após entrar em propriedade do cantor, diz site

A ideia de falar sobre assuntos que “assolam o Brasil” veio a partir do momento que Lobão viu seu “direito de ser idiota” sendo usado pelos políticos. “Vim para derrubar o hype de que a esquerda é hype. A esquerda é uma bosta, cafona. Se você quiser saber a cara da esquerda é só olhar a cara da Dilma, ir a Cuba ou ver o programa da Regina Casé”, alfinetou.

Para ele as opções para futuros governantes no Brasil são escassas. “O Aécio (Neves) não presta, votar na Marina (Silva) é trocar seis por meia dúzia. O Brasil precisa de um novo partido para repensar o que já foi feito”, opinou Lobão. “Uma Margareth Tatcher poderia ser uma solução, mas se eu falar isso me jogam pedra”, acrescentou.

Leia também:  Simone e Simaria falam de troca do forró por sertanejo e de comparação com as irmãs Kardashian

Ainda na percepção do artista o “intelectual de esquerda é o campeão da masturbação de p** mole”. “Ele é um frouxo, ele não transcende o indivíduo e um frouxo unido jamais será vencido”. Indagado se o rótulo de reacionário o incomoda mais do que o de polêmico, Lobão desdenhou.

“A questão não é se eu me incomodo, mas o quanto eles vão se incomodar. Se eu fosse eles eu estaria pedindo misericórdia. A vítima é o outro, eu sou o terror que veio para colocá-los em seus devidos lugares”, disse Lobão em tom desafiador. Ele brincou ao revelar que ainda escreverá um livro sobre “o porquê de todos nós acharmos sexy ser comunista”.

Leia também:  Junior Horeay | " Eu sou de uma família musical e eu só continuo a nossa história"

Quando o assunto foi a produção musical atual, o cantor afirmou que nada lhe causa interesse e lamentou o fato de Roberto Carlos ao qual chamou de “heroi” ter se tornado uma “múmia deprimida”. “O fato é que ele se tornou uma múmia, o porquê eu já não sei”, disse para risada das dezenas de fãs que prestigiaram a noite.

Lobão adiantou que os direitos do seu primeiro livro, “50 Anos a Mil”, já foram vendidos para o cinema. Quanto ao ator para interpretá-lo ainda não se sabe. “Vou escolher alguém de coragem”, finalizou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.