Delegacia Regional de Tangará-Foto:Assessoria
Delegacia Regional de Tangará-Foto:Assessoria

Um falso roubo simulado por um funcionário de uma empresa de materiais de construção foi desvendado pela Polícia Judiciária Civil, nesta quarta-feira (22.05), em Tangará da Serra. O acusado Luiz Francinei de Campos, 33, foi indiciado pelos crimes de furto qualificado, mediante fraude e abuso de confiança, denunciação caluniosa e falsa comunicação de crime.

A ocorrência do suposto assalto foi registrada na Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), de Tangará da Serra, no último dia 09 de maio. Segundo as informações, um homem em posse de uma arma de fogo teria invadido o departamento financeiro da empresa, rendido o funcionário e subtraído aproximadamente R$ 15 mil em dinheiro.

Leia também:  Após desobedecer ordem de parada, motociclista é preso com arma de fogo

Nas investigações, policiais civis da Derf encontraram evidências de que o assalto não teria acontecido e que o funcionário simulou a situação para ocultar pequenos desvios de dinheiro feito por ele em dias alternados.
“Como o sistema operacional da empresa ia mudar, o acusado precisava arrumar uma maneira de justificar a ausência do dinheiro que vinha furtando”, explicou o chefe de operação Edvaldo Tocantins.

A equipe de investigadores passou a desconfiar do assalto ao perceber que o setor financeiro ficava aos fundos da empresa e na frente funcionavam os caixas, de onde nada foi levado. As funcionárias dos caixas foram ouvidas e disseram que não viram nenhuma pessoa suspeita entrando no setor financeiro.

Leia também:  Nova Mutum | Bando explode cinco caixas eletrônicos de duas agências bancárias

Com informações da empresa e de testemunhas, policiais civis conseguiram localizar o suspeito. Em depoimento ao delegado da Derf, Vitor Chab Domingues, o acusado confessou o crime e alegou que precisava do dinheiro para pagar dívidas.

O funcionário estava com R$ 1 mil do dinheiro furtado e disse que vai vender um veículo para restituir os R$ 14 mil restantes ao dono da empresa. O acusado foi ouvido e posteriormente liberado por não estar em situação de flagrante.
Participaram das investigações os policiais civis, Antenor, Lázaro e Edvaldo Tocatins.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.