A sétima edição da Ágata 7 visa combater crimes de contrabando, descaminho, tráfico de drogas e pessoas, extração ilegal de madeira, garimpo ilegal, entre os crimes praticados na fronteira-Foto:Assessoria
A sétima edição da Ágata 7 visa combater crimes de contrabando, descaminho, tráfico de drogas e pessoas, extração ilegal de madeira, garimpo ilegal, entre os crimes praticados na fronteira-Foto:Assessoria

A Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso integra as forças de segurança que participam da operação Ágata 7, deflagrada pelo Exército Brasileiro, no sábado (18), nos 16, 8 mil quilômetros de fronteira seca do Brasil, que faz divida com 10 países sul-americanos. A operação conta ainda com a Polícia Militar, por meio do Grupo de Operações de Fronteira (Gefron), Polícia Federal e Rodoviária Federal.

Na fronteira Oeste de Mato Grosso que compreende os municípios das regiões de Cáceres e Pontes e Lacerda, foram cumpridos 12 mandados (prisão e busca), com a prisão de 29 pessoas por ordem de prisão e flagrante, além da apreensão de objetos, veículos e arma de fogo.

Leia também:  Acusado de furtar loja é preso com arma e munições

O delegado Douglas Turíbio disse que a Polícia Civil emprega 72 policiais civis, nas atividades cartorárias e de repressão aos crimes transfronteiriços, com ajuda dos cães do Canil da Delegacia Especializada de Entorpecentes (DRE), da Capital. De acordo com Turíbio, cada delegado é responsável pelos trabalhos nos municípios das Delegacias Regionais de Cáceres e Pontes e Lacerda.

A sétima edição da Ágata 7 visa combater crimes de contrabando, descaminho, tráfico de drogas e pessoas, extração ilegal de madeira, garimpo ilegal, entre os crimes praticados na fronteira.

Participam da operação os estados de fronteira: Amapá, Paraná, Pará,Roraima, Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os países vizinhos são Guiana Francesa, Guiana, Suriname, Venezuela, Colômbia, Bolívia, Peru, Paraguai, Argentina e Uruguai.

Leia também:  Polícia esclarece latrocínio de dentista com identificação de 3 envolvidos entre eles um menor

Segundo o Exército, são realizadas ações de bloqueio e controle de estradas, patrulhamentos, intensificação de fiscalização de produtos controlados, atividades de inteligência e realização de Ações Cívico-Sociais (ACISO), que consistem em levar o atendimento médico, odontológico e hospitalar aos locais onde concentram famílias carentes.

Em quase dois anos, o Ministério da Defesa, por meio do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), já realizou seis edições da Operação Ágata. No Paraná, a última etapa realizada foi em agosto de 2012.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.