As previsões indicam boas ondas para iniciar o Billabong Rio Pro logo no primeiro dia do prazo da etapa brasileira do WCT, que começa na quarta-feira e vai até 19 de maio no Rio de Janeiro. Todas as estrelas do ASP World Tour, que reúne os melhores surfistas do mundo, se apresentam na rodada inicial, formada por doze baterias com três competidores cada. Os vencedores avançam direto para a terceira fase e os perdedores têm uma segunda chance de classificação na repescagem. O palco principal do terceiro desafio da corrida pelo título mundial da temporada é nas ondas do Postinho, na Barra da Tijuca, com a Praia do Arpoador também ficando preparada para sediar a competição se as ondas estiverem melhores.

A primeira chamada para a abertura do Billabong Rio Pro está marcada para as 7 horas na enorme arena instalada no Postinho, com mais de 2 mil metros quadrados de área utilizada nas areias da Barra da Tijuca para receber os grandes astros do surfe mundial. Uma das novidades é que cada um dos 36 participantes terá armário particular em um vestiário da área dos atletas. A estrutura ainda abriga a torre da comissão técnica e dos juízes, além das cabines da transmissão ao vivo pela internet em inglês e português, centro de imprensa e área vip para convidados. Para assistir ao show de surfe dos melhores do mundo não são cobrados ingressos, é só chegar a praia e escolher o melhor lugar na areia para torcer pelos seus ídolos.

BRAZILIAN STORM – A expectativa é grande para a participação do “Brazilian Storm”, como é chamado o grupo de brasileiros da nova geração que vem se destacando no Circuito Mundial. Um deles foi escalado para abrir o Billabong Rio Pro 2013, o catarinense Alejo Muniz, que vai competir na primeira bateria do campeonato, contra o australiano Josh Kerr e o norte-americano Patrick Gudauskas.

Leia também:  Atleta da Seleção brasileira de Hóquei é assassinado com tiro na nuca em SP

Na segunda, tem Adriano de Souza que está na briga direta pela ponta do ranking na etapa brasileira do WCT. Na quarta entra Filipe Toledo com o bicampeão mundial Mick Fanning. E na quinta, outro paulista, Miguel Pupo, com o defensor do título, Joel Parkinson, que no ano passado foi vice-campeão na final com o havaiano John John Florence nos tubos do Postinho.

Os três mais jovens brasileiros desta lista, falaram sobre o que esperam do Billabong Rio Pro esse ano. “No ano retrasado também entrei na primeira bateria e não fui bem. No ano passado, mesmo machucado consegui ficar em quinto lugar, só perdi nas quartas de final, então quero tentar fazer melhor ainda”, disse Alejo Muniz. “Meu pai está aqui comigo dessa vez, estamos juntos com o Miguel (Pupo) e o pai dele (Wagner Pupo), que está sendo legal pra trocar experiências. Também tem swell (ondulação) vindo, então acho que o campeonato pode ser muito legal para nós brasileiros”.

ESTREIAS NO RIO DE JANEIRO – Miguel Pupo não competiu nas duas etapas da Austrália porque estava contundido no tornozelo, então vai estrear na temporada 2013 do ASP World Tour no Billabong Rio Pro. “É sempre bom estar em casa e pra mim começar o ano em casa é melhor ainda. Estou aqui no Rio com meu pai (Wagner Pupo), que é meu treinador, junto também com o Alejo (Muniz) e o pai dele, a gente se dá superbem, então agora é esperar o campeonato começar porque estou totalmente recuperado da contusão já”, falou Miguel Pupo, que vai estrear junto com o atual campeão mundial Joel Parkinson.

Antes dele, o ubatubense Filipe Toledo, enfrenta outra grande estrela do esporte, Mick Fanning, que já tem dois títulos mundiais no currículo. Filipe é um dos estreantes na elite dos top-34 do ASP Tour, mas já mostrou os seus aéreos e a grande variedade de manobras modernas do seu repertório nas duas primeiras etapas que disputou na Austrália. Em Bells Beach, barrou até o campeão mundial C. J. Hobgood, além do fenômeno Gabriel Medina, outro expoente do “Brazilian Storm” no WCT.

Leia também:  Brasil joga primeira partida do Grand Prix em Cuiabá

“Para mim é tudo novidade. É o meu primeiro ano no ASP Tour, minha primeira vez competindo no WCT aqui no Rio de Janeiro e cada campeonato é uma experiência”, disse Filipe Toledo, que completou 18 anos de idade no mês de abril. “Estou bem tranquilo, confiante e acho que aqui é um bom lugar para eu me dar bem. É no Brasil, em uma onda que estou acostumado a surfar, então espero que dê tudo certo, que eu consiga achar boas ondas nas baterias para mostrar o meu surfe”.

NOVE BRASILEIROS – Além de Mineirinho, Alejo, Miguel e Filipe, mais cinco brasileiros vão participar do Billabong Rio Pro. Gabriel Medina e o carioca Raoni Monteiro são mais integrantes da divisão de elite atual com presença garantida em todo o circuito. O cearense Messias Félix é o convidado da organização da etapa brasileira do WCT, pelo título de melhor surfista do país que conquistou no circuito nacional do ano passado. O campeão estadual do Rio de Janeiro, Gustavo Fernandes, também ganhou uma vaga dos tops que estão contundidos e tiveram que cancelar suas participações no Rio de Janeiro.

TRIAGEM PELA ÚLTIMA VAGA – E o último nome para completar o grupo dos 36 participantes sairá de uma bateria especial a ser disputada antes do início da rodada inicial do Billabong Rio Pro. O catarinense Willian Cardoso, que substituiu muito bem o contundido Miguel Pupo nas etapas da Austrália, inclusive derrotando Kelly Slater em Bells Beach, é a novidade desta triagem. Ele vai disputar a última vaga com um surfista a ser indicado pela Billabong e dois cariocas, Jerônimo Vargas representando a Associação de Surf da Barra da Tijuca e Simão Romão pelo Arpoador Surf Club.

Leia também:  Brasileira leva ouro em natação e se torna a 1° campeã mundial do país

 

PRIMEIRA FASE DO BILLABONG RIO PRO – 1.o=Terceira Fase / 2.o e 3.o=Repescagem:

1.a bateria: Josh Kerr (AUS), Alejo Muniz (BRA), Patrick Gudauskas (EUA)
2.a: Adriano de Souza (BRA), Matt Wilkinson (AUS), Yadin Nicol (AUS)
3.a: Taj Burrow (AUS), Sebastian Zietz (HAV) e 1 wildcard (convidado)
4.a: Mick Fanning (AUS), Filipe Toledo (BRA) e 1 wildcard
5.a: Joel Parkinson (AUS), Miguel Pupo (BRA) e 1 wildcard
6.a: Kelly Slater (EUA), Kieren Perrow (AUS) e 1 wildcard
7.a: Julian Wilson (AUS), Travis Logie (AFR), Glenn Hall (IRL)
8.a: Gabriel Medina (BRA), Damien Hobgood (EUA), Dusty Payne (HAV)
9.a: Jeremy Flores (FRA), Nat Young (EUA), Raoni Monteiro (BRA)
10: Jordy Smith (AFR), Kai Otton (AUS), Adam Melling (AUS)
11: Michel Bourez (TAH), Bede Durbidge (AUS), Brett Simpson (EUA)
12: C. J. Hobgood (EUA), Adrian Buchan (AUS), Kolohe Andino (EUA)

PRIMEIRA FASE DO COLGATE PLAX GIRLS RIO PRO – 1.a=Terceira Fase / 2.a e 3.a=Repescagem:
1.a bateria: Lakey Peterson (EUA), Bianca Buitendag (AFR), Rebecca Woods (AUS)
2.a: Sally Fitzgibbons (AUS), Paige Hareb (NZL), Sage Erickson (EUA)
3.a: Carissa Moore (HAV), Silvana Lima (BRA) e a convidada do evento
4.a: Tyler Wright (AUS), Malia Manuel (HAV), Phillipa Anderson (AUS)
5.a: Courtney Conlogue (EUA), Laura Enever (AUS), Alize Arnaud (FRA)
6.a: Coco Ho (HAV), Alana Blanchard (HAV), Pauline Ado (FRA)

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.