BNDESOs estados terão até 30 de setembro para financiar obras públicas com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O Conselho Monetário Nacional (CMN) prorrogou o prazo de vigência do Proinveste, programa de apoio aos investimentos dos estados e do Distrito Federal.

De acordo com o assessor econômico do Tesouro Nacional, Bruno Leal, a prorrogação foi necessária para que todo o orçamento do Proinvest seja executado. Dos R$ 20 bilhões disponíveis, R$ 18,5 bilhões foram contratados. Segundo o assessor, não houve tempo hábil para todos os estados contratarem os empréstimos, mas ele não divulgou quais unidades da Federação ainda não tiveram acesso à linha de crédito.

Leia também:  Homem é preso tentando empenhorar R$ 300 mil em joias furtadas no PR

No Proinveste, os governos estaduais podem pagar os empréstimos em até 20 anos, sendo que a primeira parcela pode ser paga até dois anos depois da contratação do empréstimo. Os juros correspondem à taxa de juros de longo prazo (TJLP), hoje em 5% ao ano, mais 1,1% ao ano, quando a União oferece garantias para cobrir uma eventual inadimplência. Quando não há garantia do governo federal, a taxa equivale à TJLP mais 2,1% ao ano.

A pedido do Ministério dos Transportes, o CMN também autorizou que o Fundo da Marinha Mercante (FMM) financie a construção de navios-sonda. Segundo o assessor do Tesouro Nacional, a Petrobras precisa de 28 embarcações desse tipo para pesquisar a presença de petróleo no fundo do mar.

Leia também:  Barco de pesca com sete pessoas desaparece no mar do Rio Grande do Sul

As condições dos financiamentos serão semelhantes às dos demais itens financiados pelo FMM. Os navios com pelo menos 65% de conteúdo nacional terão vantagens em relação aos projetos com mais componentes importados, como maior percentual de financiamento e menores taxas de juros.

Para as embarcações com maior conteúdo nacional, os componentes produzidos no país poderão ser financiados em até 90% com juros de 3% a 5% ao ano. Os materiais importados poderão ter 20% do valor financiado com taxas de 3,5% a 5,5% ao ano. Os navios com conteúdo nacional inferior a 65% poderão obter financiamento apenas para componentes nacionais, com juros entre 3,5% e 6% ao ano.

Leia também:  Dois em cada três alimentos consumidos nas cantinas têm baixo valor nutricional
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.